“Habeas corpus” do ex-primeiro-ministro decide-se na quarta-feira

O pedido de libertação imediata “habeas corpus” do ex-primeiro-ministro José Sócrates, interposto por um cidadão, será decidido na quarta-feira, pela 3.ª Secção Penal do Supremo Tribunal de Justiça (STJ). O “habeas corpus”, apresentado por um cidadão, Miguel Paulo de Sousa Mota Cardoso, será apreciado na manhã de quarta-feira e o advogado do ex-governante, João Araújo, […]

O pedido de libertação imediata “habeas corpus” do ex-primeiro-ministro José Sócrates, interposto por um cidadão, será decidido na quarta-feira, pela 3.ª Secção Penal do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

O “habeas corpus”, apresentado por um cidadão, Miguel Paulo de Sousa Mota Cardoso, será apreciado na manhã de quarta-feira e o advogado do ex-governante, João Araújo, disse à agência Lusa que foi “notificado para a audiência”.

“Tive conhecimento desse processo de ‘habeas corpus’ quando fui notificado pelo Supremo para a audiência de julgamento do próximo 03 de dezembro. Fui surpreendido e não fazia a mais pequena ideia dessa iniciativa, à qual sou absolutamente alheio”, afirmou João Araújo, que visitou José Sócrates no Estabelecimento Prisional de Évora.

OJE/Lusa

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir aos resultados eleitorais em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).