Habitação. Avaliação bancária em junho sobe 27 euros, fixando-se em 1.407 euros/m2

Observando as regiões de Portugal, o maior aumento face ao mês anterior registou-se no Algarve (3,0%), e a única região que apresentou uma variação em cadeia negativa foi a Região Autónoma dos Açores (-0,7%).

O valor atribuído pela banca às casas, por via da concessão de crédito à habitação, subiu para 1.407 euros por metro quadrado (euros/m2) em junho, mais 27 euros (ou 2%) do que em maio, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em termos homólogos, a taxa de variação fixou-se em 15,8% (comparativamente a 13,9% em maio).

O número de avaliações bancárias consideradas ascendeu a cerca de 29 mil, menos 2,7% que no mesmo período do ano anterior.

Observando as regiões de Portugal, o maior aumento face ao mês anterior registou-se no Algarve (3,0%), e a única região que apresentou uma variação em cadeia negativa foi a Região Autónoma dos Açores (-0,7%).

“Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações cresceu 15,8%, registando-se a variação mais intensa no Algarve (20,4%) e a menor na Região Autónoma dos Açores (6,5%). Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações cresceu 15,8%, registando-se a variação mais intensa no Algarve (20,4%) e a menor na Região Autónoma dos Açores (6,5%)”, informa o gabinete de estatística.

Em relação às tipologias, o valor mediano de apartamentos foi 1.63 euros/m2, uma valorização de 16,7% relativamente a junho de 2021.  Face a maio, um T2 subiu 26 euros, para a 1.576 euros/m2, tendo os T3 subido 27 euros, para 1.398 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 78,9% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Já nas moradias, o preço mediano do metro quadrado fixou-se nos 1.122 euros/m2 em junho, um acréscimo de 12,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Comparativamente a maio, as T2 desceram 3 euros, para 1.062 euros euros/m2, as T3 avançaram 19 euros, para 1.106 euros/m2 e as T4 valorizaram 27 euros, para 1.185 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 88,7% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.

Recomendadas

Procura procura de imóveis para investimento aumenta 30% no Lisbon Green Valley

Das residências de tipologia T2, 50% foram comprados com o objetivo de investimento por via de arrendamento.

Projeto de luxo de imobiliária portuguesa vendeu 70% dos apartamentos em menos de dois meses

Situado na Avenida da Boavista, o “Enlight” tem apenas seis das 21 residências para venda, num edifício composto por sete andares. As áreas exteriores, em varandas, jardins ou pátios, vão até aos 105,3m2, enquanto os interiores chegam aos 280,5m2.

Comprar casa na rua mais cara de Portugal custa mais de quatro milhões de euros

Na lista das 10 ruas mais caras para compra de habitação no país nove situam-se em Lisboa. A única exceção é Setúbal onde a residência com o valor mais elevado supera os três milhões de euros.
Comentários