Haiti: Surto de cólera já matou 80 crianças e é agravado pela fome no país, avança Unicef

Um surto de cólera no Haiti já matou pelo menos 80 crianças desde o início de outubro, agravando a crise no país, onde quase dois milhões de menores passam fome, alertou hoje a Unicef.

De acordo com o Ministério da Saúde haitiano, a cólera já matou mais de 200 pessoas desde que as primeiras mortes foram anunciadas, no início do mês passado, e outras 9.300 estão hospitalizadas, mas os especialistas acreditam que muitos dos casos ainda não foram notificados pelo, que o número real deverá ser muito superior ao registado.

“Cerca de 40% dos casos de cólera envolvem crianças, com nove em cada 10 casos relatados em áreas onde as pessoas passam fome”, avançou o diretor da unidade de programas de emergência da Unicef (Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância), Manuel Fontaine, que está a realizar uma visita ao Haiti.

“Temos de nos preparar para o pior”, acrescentou, citado pela agência de notícias Associated Press.

Face à situação, a Unicef e o Governo do Haiti lançaram um apelo para angariar pelo menos 27 milhões de euros para ajudar a alimentar, hidratar e cuidar de 1,4 milhões de pessoas afetadas pela crise, número que estimam que aumente à medida que a desnutrição piora.

“A cólera e a fome são uma combinação letal, em que uma piora a outra”, explicou Fontaine.

“Este é um grande desafio para nós”, admitiu a diretora do departamento de cólera do hospital Gheskio, em Port-au-Prince, também citada pela AP.

Segundo Karine Sévère, os casos de desnutrição aumentaram pelo menos 40% nas últimas semanas, pelo que o hospital está empenhado em dar mais comida às crianças – “sopa de manhã e arroz, feijão, carne e legumes à tarde” – para as ajudar a ganhar peso.

“É comida que poucos pais podem pagar”, num país onde cerca de 60% da população ganha menos de dois dólares (1,93 euros) por dia, explicou.

O Governo do Haiti solicitou recentemente vacinas contra a cólera, mas há uma escassez mundial desta imunização, até porque 31 países registam atualmente surtos da doença.

Ainda assim, segundo Manuel Fontaine, o Haiti terá prioridade devido à situação precária já existente no país.

O primeiro surto de cólera no Haiti aconteceu em 2010, quando as forças de paz da ONU do Nepal introduziram a bactéria no maior rio do país através dos esgotos.

Na altura, quase 10.000 pessoas morreram e mais de 850.000 ficaram doentes.

Desta vez, a situação é ainda mais complicada, afirmou o diretor no Haiti da fundação internacional Food for the Hungry (Alimentar os que têm Fome, em tradução livre), Boby Sanders.

Segundo este responsável, quase metade dos doentes de cólera tem menos de 15 anos e luta para sobreviver devido ao agravamento da crise alimentar.

A situação é dificultada ainda mais por causa da violência crescente entre ‘gangues’, o que impede as organizações de ajuda de chegarem aos que mais precisam.

Recomendadas

Mercosul. Pedido de adesão uruguaio a outro bloco marcará cimeira

Uma cimeira “entretida” do Mercosul é a expectativa do Uruguai, país anfitrião e atual presidente do grupo comercial, para o próximo encontro regional onde o controverso pedido de adesão uruguaio a outro bloco comercial estará em debate.

Presidente israelita encontra-se com rei de Bahrein na primeira visita ao país

O rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, recebeu este domingo o presidente de Israel, na primeira visita oficial de um chefe de Estado israelita ao reino após as duas nações terem estabelecido relações diplomáticas em setembro de 2020.

Blinken avisa Netanyahu sobre novos colonatos na Cisjordânia

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, avisou este domingo que os Estados Unidos se vão opor ao estabelecimento de novos colonatos na Cisjordânia ocupada pelo próximo governo israelita, quando Benjamin Netanyahu está prestes a voltar ao poder em Israel.
Comentários