Haverá Metro em Lisboa toda a noite da passagem de ano

Na madrugada de 1 de janeiro, entre a 1h00 e as 6h30, o Metropolitano de Lisboa funcionará nas linhas Azul, Verde e Vermelha.

Rafael Marchante/Reuters

O Metropolitano de Lisboa informou hoje que irá assegurar o serviço durante toda a noite da passagem de ano permitindo, desta forma, responder ao acréscimo de procura que normalmente se regista durante a noite de 31 de dezembro e a madrugada de 1 de janeiro, voltando encerrar, somente, à 1h00 de dia 2 de janeiro.

Assim, na madrugada de 1 de janeiro, entre a 1h00 e as 6h30, o Metropolitano de Lisboa funcionará nas linhas Azul, Verde e Vermelha, estando abertas as seguintes estações:

Linha Azul:  Pontinha, Colégio Militar, Jardim Zoológico, São Sebastião, Marquês de Pombal, Restauradores e Baixa-Chiado;

Linha Verde:  Telheiras, Areeiro, Alameda, Rossio, Baixa Chiado e Cais do Sodré;

Linha Vermelha: Moscavide, Oriente, Olivais, Alameda e São Sebastião.

Na noite de 31 de dezembro, e como tem sido habitual, a estação Terreiro do Paço encerrará às 22h30 por motivos de segurança, face à elevada concentração de pessoas prevista à superfície no âmbito das festividades de passagem do ano. Em alternativa, os utentes poderão utilizar as estações Cais do Sodré ou Baixa Chiado que estarão abertas ininterruptamente durante toda a madrugada de dia 1 de janeiro.

 

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários