Helena Coelho arrasa Miguel Milhão da Prozis: “Não compro uma única coisa mais…”

O fundador da Prozis, Miguel Milhão, está no centro da polémica, após concordar com a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos em revogar a lei do aborto, que vigorava há mais de 50 anos. Perante a sua posição, várias figuras públicas deixaram de colaborar com a marca de nutrição desportiva, como é o caso de Jessica Athayde, Marta Melro ou Diana Monteiro. A apresentadora Helena Coelho é uma das mais críticas: “é a prepotência e arrogância de quem “não precisa de Portugal”.

@Instagram de Helena Coelho

O fundador da Prozis, Miguel Milhão, está no centro da polémica, após concordar com a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos em revogar a lei do aborto, que vigorava há mais de 50 anos.

A opinião de Miguel Milhão levou a que algumas figuras públicas que colaboravam com a marca de nutrição desportiva se tenham distanciado dela, como é o caso de Jessica Athayde, Marta Melro ou Diana Monteiro.

Também a apresentadora Helena Coelho se pronunciou contra o responsável máximo da Prozis: “A questão já não é a opinião sobre o aborto. É a prepotência e arrogância de quem “não precisa de Portugal”, de quem não quer um cancelamento da sua empresa para que a classe trabalhadora não fique prejudicada… mas não a defende nem ajuda”, escreveu na caixa de comentários da publicação que a empresa de nutrição desportiva publicou nas redes sociais.

“Ajudar no caso seria não piorar a situação com as declarações arrogantes no podcast e seria permitir uma gestão de crise pela marca que em nenhum momento fizeram. Tenho pena que quem representa a marca é que tenha de dar “o corpo às balas” e sair prejudicado com o assunto. Da minha parte, mesmo sabendo que não vai aquecer nem arrefecer no vosso lucro, não compro uma única coisa mais”, acrescentou Helena Coelho.

No referido comunicado nas redes sociais, a marca referia: “A Prozis é feita de pessoas e para pessoas. Existimos para produzir e servir, com excelência, dia após dia! Estamos solidários e ao lado de todos aqueles que têm recebido mensagens de intolerância. Acreditamos na liberdade de expressão e, por isso, apelamos ao respeito pela pluralidade de opiniões”.

“Essa canzoada toda, não gosto desta gente”

O CEO da Prozis já veio reforçar a sua posição sobre a perda do direito da mulher de decidir se quer ou não dar seguimento a uma gravidez, nos EUA, garantindo que, no caso de uma violação sexual contra a sua mulher ou uma filha, “tentaria falar” elas.

“Se tivesse uma filha que tivesse sido violada, ou se a minha mulher tivesse sido violada, eu tentaria falar com ela e cuidava dessa criança. Não consigo sacrificar um inocente pelos crimes de um criminoso. Não consigo fazer essa cena”, declarou no podcast ‘Conversas do Kara**o’, no qual surge sozinho num a ser entrevistado por uma voz.

Miguel Milhão afirmou ainda: “Já falei com a minha mulher sobre isso, mas não me lembro do que ela disse…”

Sobre as figuras públicas que deixaram de querer estar associadas aos seus produtos, disse: “Essa canzoada toda, não gosto desta gente, e essa gente não precisa comprar na Prozis, podem todos deixar de comprar, faz favor”.

Relacionadas

Prozis. Atriz Jéssica Athayde cancela contrato. Fundador diz que não precisa de Portugal e que é “incancelável” (com áudio)

As várias embaixadoras da marca que anunciaram o fim das parcerias pela posição do acionista da Prozis contam com mais de 1,6 milhões de seguidores só no Instagram.

Aborto nos EUA. Fundador da Prozis responde a críticas de influencers: “Tentar destruir alguém pelas suas ideias é um sinal dos tempos” (com áudio)

“Acredito que esta politica de cancelamento possa destruir muitas vidas , principalmente destes tais influencers. Hoje sou eu, amanhã serão eles. É uma questão de tempo”, disse Miguel Milhão em resposta às críticas. Pelo menos, quatro embaixadoras da marca já anunciaram o fim das parcerias.
Recomendadas

Portugal-França: a Temporada Cruzada continua a agitar o mês de agosto

Ao oitavo mês, a Temporada Cruzada Portugal-França não dá tréguas a quem procura alimento para os sentidos, com propostas que vão da instalação sonora à subversão do privado. Quem disse que agosto é ‘silly’?

Livro: “Viagens de Mandeville”

A literatura de viagens medieval tinha os seus cânones. Um deles era a descrição de povos grotescos que viveriam do outro lado do mundo. Mandeville, ao narrar as “suas” viagens, não impôs qualquer travão à sua imaginação.

Andrea Bocelli dá dois concertos no Altice Arena em Lisboa em 2023

O tenor italiano sobe ao palco a 30 de junho e 1 de julho, fazendo-se o tenor acompanhar por uma orquestra e um coro.
Comentários