Henderson: a ilha de plástico do tamanho de França que Al Gore quer que seja um país

Bem-vindo à ilha com 18 toneladas de plástico e que tem uma pretensão: tornar-se o mais recente país. Henderson cumpre todos os requisitos.

A ilha de plástico é um ‘caixote’ do lixo a ‘céu aberto’ e um sério problema ambiental. Apesar de ser uma desgraça ambiental, há quem utilize o humor para promover uma campanha que visa alertar o mundo para o problema da poluição.

‘Vamos fazer da ilha de plástico um novo país’: Este é o mote para a campanha da Plastic Oceans Foundation que será promovida junto da ONU e que cita o primeiro artigo da Convenção de Montevideu de 1993 para assegurar que a ilha cumpre os requisitos para se constituir num país: tem fronteiras já que os cientistas calculam que a ilha de plástico tenha uma área aproximada de 1.400 km/2, mais ou menos o tamanho de França; a ilha com 18 toneladas de plástico já tem um cidadão, nada mais nada menos do que o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, que já deu o seu apoio à campanha, assumindo-se como primeiro cidadão deste novo país e mais de 100 mil pessoas assinaram uma petição para o reconhecimento no país em change.org.

Zero habitantes, 18 toneladas de plástico e 38 milhões de detritos

A ilha de Henderson, uma das mais remotas do Oceano Pacífico, tem zero habitantes, 18 toneladas de plástico e 38 milhões de detritos, de acordo com os cientistas marinhos da Universidade da Tasmânia.

Mesmo estando afastada da sociedade, a ilha é considerada a mais poluída do mundo com a maior densidade de detritos antropogénicos, isto é, resíduos derivados das atividades e ações humanas, noticia o The Guardian.

A equipa de cientistas afirma que, todos os dias, dão à costa cerca de 13 mil detritos, mas a maioria do lixo está enterrada na areia. Cerca de 99,8% do lixo encontrado são plásticos que provam a atual degradação do meio ambiente, causada pelos elevados níveis de poluição.

Em declarações à Bloomberg, a responsável do estudo, Jennifer Lavers, diz que “temos de repensar a  nossa relação com o plástico. É um material criado para durar para sempre, no entanto, apenas é utilizado por momentos e depois deitado fora”.

“Eu viajei por algumas das mais distantes ilhas do mundo e, independentemente de onde fui, o ano ou a área do oceano, a história é geralmente a mesma: as praias estão repletas de vestígios da atividade humana. Sempre pensei que o fato de ser uma ilha muito remota protegesse Henderson, mas estava completamente enganada. Fiquei sem palavras. Foi, por isso mesmo, que me dei a tanto trabalho para estudar e documentar ao detalhe este caso”, explicou a responsável ao The Guardian.

A ilha de Henderson é um lugar classificado como Património Mundial da Unesco. Apesar da estar distante da ação humana, a crise da poluição de plástico nos oceanos atinge os locais mais improváveis.

Recomendadas

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.

Timor-Leste quer justiça para vítimas de crimes sexuais durante ocupação indonésia

A ministra dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Adaljiza Magno, afirmou hoje, durante uma Conferência sobre a Prevenção da Violência Sexual em Conflitos em Londres, que o Governo continua determinado em apoiar as vítimas de crimes durante a ocupação indonésia.  
Comentários