Herdade da Comporta teve 300 interessados na compra

Investidores norte-americanos, chineses ou árabes quiseram entrar no processo de venda do espaço, lançado em outubro do ano passado.

A Herdade da Comporta teve 300 candidatos interessados na compra do espaço. O património do Grupo Espírito Santo (GES) captou a atenção de investidores internacionais – norte-americanos, chineses e árabes – devido ao valor atribuído a este ativo, apurou o Correio da Manhã.

Os potenciais compradores que quiseram entrar no processo de venda do espaço, lançado em outubro do ano passado, foram sendo eliminados ao longo do processo de seleção, segundo o mesmo matutino. A proposta de aquisição acabou por ser feita pela Ardma Imobiliária.

O Ministério Público travou a venda da Herdade da Comporta, uma vez que não deu, no prazo definido, a autorização para o levantamento do arresto que permitiria a alienação do fundo imobiliário que gere a herdade, a Rioforte, ao empresário português Pedro de Almeida.

“Tomámos conhecimento em carta dirigida à Ardma Imobiliária pelos curadores do processo da Rioforte no Luxemburgo da conclusão, sem sucesso, do processo de alienação da participação por esta detida na Herdade da Comporta – Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado”, disse ao Jornal de Negócios a sociedade de Pedro de Almeida, que justifica essa situação com o “não levantamento do arresto pelas entidades competentes em tempo útil estabelecido para esta transação”.

Cabana de Ricardo Salgado cercada por marcos retirados à Herdade da Comporta

 

Relacionadas

Venda da Herdade da Comporta travada pelo Ministério Público

No prazo definido, o Ministério Público não deu autorização para o levantamento do arresto que permitia a venda da maioria da Rioforte ao empresário português Pedro de Almeida.
Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.
Comentários