Hillary Clinton justifica derrota com ataque russo e polémica dos e-mails

A ex-candidata à Casa Branca Hillary Clinton disse hoje que  perdeu as eleições presidenciais nos Estados Unidos devido a um ataque informático russo e à reabertura da polémica dos e-mails pelo FBI.

Nas declarações da candidata republicana divulgadas hoje pelo “The New York Times”, Hillary Clinton assegurou que perdeu as eleições por causa de “uma vingança” do Presidente russo, Vladimir Putin.

Hillary disse ainda que a cara de James Comey, director do FBI, que reabriu a polémica da utilização indevida do seu e-mail pessoal para tratar de assuntos do Estado foi outro factor determinante para a sua derrota em alguns Estados-Chave, como foi o caso da Flórida e da Carolina do Norte.

“Creio que isso fez diferença no resultado”, salientou Hillary Clinton na gravação a que o jornal nova-iorquino teve acesso.

Hillary Clinton assegurou que o ataque cibernético não foi só contra a sua campanha, mas “contra o país” e pediu uma investigação de fundo do Congresso, porque o “público necessita de saber o que se passou e para prevenir novos ataques”.

Os Estados Unidos têm fortes indícios de que piratas informáticos russos se infiltraram no correio electrónico pessoal da campanha de Hillary Clinton e do Partido Republicano com a intenção de expor a estratégia e supostos conflitos de interesses.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir aos resultados eleitorais em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).
Comentários