Hipóteses de concretizar “Brexit” são de “50-50” se o Parlamento britânico rejeitar acordo com Bruxelas

O ministro do Comércio Internacional britânico, Liam Fox, estimou hoje que as hipóteses de o Reino Unido sair ou não da União Europeia (UE), no caso de rejeição parlamentar ao acordo com Bruxelas, são de “50-50”.

O ministro do Comércio Internacional britânico, Liam Fox, estimou hoje que as hipóteses de o Reino Unido sair ou não da União Europeia (UE), no caso de rejeição parlamentar ao acordo com Bruxelas, são de “50-50”.

Em entrevista ao jornal “Sunday Times”, Liam Fox encorajou os deputados a apoiarem o acordo assinado em novembro entre o Governo de Theresa May e os seus homólogos europeus, considerando que a ratificação pelo parlamento é a única forma de garantir que o “Brexit” – nome dado à saída do Reino Unido da UE – acontecerá mesmo a 29 de março de 2019.

“Se não aprovarmos o acordo, não arrisco dar [à concretização do Brexit] hipóteses superiores a 50-50”, admitiu.

O Governo britânico está a tentar convencer os deputados a apoiarem o acordo, mas a maioria não parece inclinada para o fazer.

O acordo desiludiu os fervorosos adeptos do Brexit, que criticam a manutenção de uma ligação permanente do Reino Unido à UE, enquanto os apoiantes da Europa esperam que o processo possa fazer marcha-atrás.

A votação, que esteve prevista para 11 de dezembro, foi anulada à última hora por Theresa May, para evitar uma derrota anunciada, e foi adiada para a terceira semana de janeiro.

Se o acordo for rejeitado, o ministro Liam Fox, apoiante de longa data do Brexit, considera que “a relação de confiança entre o eleitorado e o Parlamento será quebrada”, o que conduzirá a “território desconhecido, com consequências imprevisíveis”.

“A única coisa que quebra a relação de confiança entre o eleitorado e o parlamento é a recusa de ministros como Liam Fox em confiarem nos eleitores para terem a última palavra a dizer sobre o Brexit”, reagiu a deputada liberal-democrata Layla Moran, favorável a um novo referendo.

Um novo debate no parlamento britânico sobre o acordo de Brexit está agora previsto para começar a 9 de janeiro, estando a votação marcada para a semana de 14 a 18 de janeiro.

O Reino Unido deverá sair da União Europeia em 29 de março de 2019.

Depois do Brexit, o país deixará de ser membro das agências europeias Europol e Eurojust e do Sistema Europeu de Mandados de Detenção, que permite aos países-membros acelerar a extradição de suspeitos e condenados.

O acordo sobre as relações futuras compromete os dois lados a estabeleceram planos recíprocos para tentar harmonizar a aplicação da lei e a cooperação judicial.

Recomendadas

Xi Jinping em viagem histórica à Arábia Saudita

O presidente chinês estará três dias na Arábia Saudita, com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman a promover o encontro de forma bem mais festiva que aquela que reservou para o presidente dos Estados Unidos em julho passado.

Trabalhadores do MNE português no Brasil vão ter atualização salarial de 48,9%

Os trabalhadores nos postos consulares e missões diplomáticas no Brasil vão ter as suas remunerações atualizadas em 48,9%, a mesma percentagem da depreciação monetária acumulada do real, segundo legislação publicada em Diário da República.

Bruxelas pede mais informação sobre fundos atribuídos a empresas de marido de ministra

Em resposta a uma questão do eurodeputado e líder do CDS, Nuno Melo, enviada ao executivo comunitário em 28 de setembro, a comissária europeia para a Coesão, Elisa Ferreira, adianta que “foram solicitadas ao Estado-membro em questão informações adicionais sobre o caso a que o Senhor Deputado se refere, para que a Comissão possa continuar a tratar do assunto”.
Comentários