Hoje às 17h: JE editors Talks “Formação de Executivos”

Assista esta tarde em direto, a partir das 17h, a uma conversa sobre o panorama atual e futuro da formação de executivos no nosso país e da sua importância para a competitividade nacional.

Cada vez mais empresas e organizações apostam na formação dos seus líderes e gestores. Numa altura em que o contexto pandémico nos obriga a repensar modelos e formatos, as instituições apostam no blended learning para evitar perder procura pelos seus programas.

Poderá esta tarde assistir a uma JE editors Talk sobre o panorama atual desta área específico do ensino e perceber que importância tem para a competitividade do nosso tecido empresarial.

A mesma serve de complemento ao caderno Especial que acompanha a edição de 15 de maio d’O Jornal Económico e conta com a participação da Universidade Portucalense, do ISEG Executive Education, da Católica Porto Business School, da Católica Global School of Law, da Coimbra Business School e do ISCTE Executive Education.

Assista em direto, neste mesmo artigo, ou no Facebook d’O Jornal Económico, a partir das 17h.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Universidade Portucalense, o ISEG Executive Education, a Católica Porto Business School, a Católica Global School of Law, a Coimbra Business School e o ISCTE Executive Education.

Recomendadas

Associação de Capital de Risco elogia programa “Consolidar” por ser de capital e não de dívida

Luís Santos Carvalho, presidente da APCRI, elogia o facto de “neste programa não haver dívida, nem garantias: é tudo capital para investir em empresas”. O Programa “Consolidar” mobiliza 752 milhões para fomentar a consolidação de PME.

BEI e Santander apoiam PME em Portugal com 820 milhões de euros

O Santander Portugal adianta que o acordo com o BEI poderá abranger mais de 3.000 pequenas e médias empresas (PME) e empresas de média capitalização.

PremiumPortugal Ventures passa de prejuízo a lucro de 12 milhões

A sociedade do grupo Banco Português de Fomento registou um aumento de 45% na valorização da carteira de capital de risco, em relação a 2020, o que explicou os resultados líquidos positivos.
Comentários