Holanda vai suspender compras de gás, petróleo e carvão à Rússia no final do ano

“Estamos no meio de uma guerra e temos de intervir” afirmou o ministro holandês da Energia, Rob Jettene. Cerca de 15% do gás consumido na Holanda vem da Rússia.

O governo holandês anunciou que pretende suspender todas as compras de gás, petróleo e carvão à Rússia no final deste ano, por causa da guerra, e até lá trabalhar para encher instalações de armazenamento para o próximo inverno.

“Estamos no meio de uma guerra e temos de intervir” afirmou o ministro holandês da Energia, Rob Jettene, salientando que, no ano passado, a empresa de gás russa Gazprom não reabasteceu suficientemente os stocks na Holanda.

“Todos nós suspeitamos que a Rússia não fez isso por causa da dependência da Europa do gás e da guerra que estava a planear com a Ucrânia”, acrescentou. Cerca de 15% do gás consumido na Holanda vem da Rússia.

A meta para o final deste ano é encher o máximo possível as instalações de armazenamento de gás para o próximo inverno porque, disse o ministro, sublinhando que os preços dispararam em 2022 devido à falta de abastecimento e o governo holandês foi forçado a criar um sistema de compensação para os consumidores, algo que vai procurar evitar no futuro.

As empresas de energia vão fazer uma compra acelerada de gás adicional e o Executivo prometeu-lhes incentivos para as ajudar a garantir os fornecimentos de gás, cujo preço hoje é muito alto, e para evitar que tenham prejuízos, mas levando também em conta o cenário de que o preço pode baixar antes do próximo inverno.

Além das empresas de energia, a estatal Energie Beheer Nederland (EBN) também trabalhará para garantir o armazenamento de gás nas instalações de Bergermeer, na Holanda do Norte, em pelo menos 70% de sua capacidade.

A Holanda vai investir no armazenamento de gás natural liquefeito nos portos de Roterdão e Eemshaven (Groningen), o que lhe permitirá aumentar as importações deste gás também para outros países europeus, contribuindo para reduzir a sua dependência do gás russo.

O Governo neerlandês concordou, no Conselho de Ministros de hoje, em reservar cerca de 623 milhões de euros para isso e um imposto sobre o combustível poderá ser usado para cobrir esses custos, embora a economia de energia e um foco crescente na sustentabilidade também façam parte do projeto de redução da dependência de combustíveis fósseis.

Com esses planos combinados, será possível “substituir todo o abastecimento de gás russo” até o final deste ano, destacou Jetten.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de cinco milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Zelensky invoca ‘O Grande Ditador’ de Chaplin em Cannes

“O cinema vai ficar calado ou vai falar sobre isto? Se houver um ditador, se houver uma guerra pela liberdade, novamente, tudo depende da nossa unidade. O cinema pode ficar de fora?”, questionou. Por fim, disse que a sua crença é a mesma do clássico cinematográfico: “a liberdade não morrerá”.

Ginasta russo banido por um ano por usar símbolo pró-Putin em competição ganha pela Ucrânia

Ivan Kuliakd deve também devolver a medalha e reembolsar o prémio em dinheiro de 500 francos suíços (cerca de 477 euros) e pagar uma contribuição dos custos do processo no valor de 2.000 francos suíços (1908 euros). O russo pode pedir o recurso nos próximos 21 dias.

Human Rights Watch denuncia tortura e execuções de civis pelas forças russas

A organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW) denunciou hoje execuções sumárias, torturas e outros abusos graves cometidos sobre civis pelas forças russas que controlam grande parte das regiões ucranianas de Kiev e Chernihiv.
Comentários