Hotelaria: EUA entram diretamente para o pódio na ocupação no Natal e passagem de ano em Portugal

Em Lisboa, os principais mercados são Espanha, Estados Unidos e Portugal. No Algarve e na Madeira o principal mercado é o Reino Unido, seguido de França. No Norte e Centro, os principais mercados são Portugal, seguido de Espanha e França.

Cristina Bernardo

A “explosão” do mercado americano, que até este ano não aparecia no top 3 dos principais mercados e entra agora diretamente para a terceira posição no Natal, ex aequo com o Reino Unido, e para a segunda no Réveillon, ex aequo com França é a conclusão que mais se destaca de entre os resultados do inquérito “Hotelaria – Natal e Réveillon 2019/20” que a AHP – Associação da Hotelaria de Portugal realizou junto dos hoteleiros, divulgado esta quinta-feira, dia 19.

O inquérito apurou ainda que Lisboa é a região que apresenta a maior variação nos mercados emissores entre o Natal e o réveillon. Sendo que no Natal o mercado nacional é o mercado dominante, situação que é diluída no Réveillon com os Estados Unidos, Espanha e Brasil a ganhar terreno.

A nível nacional, o Reino Unido, que até 2017 era o terceiro principal mercado, desceu em 2018 para a quinta posição, tendo o Brasil subido à terceira posição. Em 2019, verifica-se que, no Natal, o Reino Unido passa para quarto principal mercado, e no Réveillon para segundo, ex aequo com a França e os Estados Unidos, muito puxado pelo Algarve e pela Madeira, onde o Reino Unido é o principal mercado este ano. Já o Brasil, perde terreno e deixa a sua posição no Top 5.

Natal mais otimista no Algarve e Madeira

No período do Natal, a maioria dos hoteleiros inquiridos indica que a taxa de ocupação será igual (45%) ou pior (35%) à do Natal do ano anterior, com exceção para as regiões da Madeira e do Algarve que esperam uma melhor taxa de ocupação. Neste período, 56% dos hoteleiros indicam que a Taxa de Ocupação (TO) ficará abaixo dos 50%.

No ARR e RevPAR, 44% e 47% dos hoteleiros inquiridos, respetivamente, indicam que o ARR (preço médio por quarto disponível) e o RevPar (receita por quarto disponível) serão idênticos aos do ano passado. A nível nacional, os hoteleiros apontam que o ARR se venha a situar-se entre os 150 e os 170 euros.

Por regiões, os inquiridos da Madeira e do Algarve são os mais otimistas tanto quanto à TO, 83% indicam que será melhor ou igual ao ano anterior, como em relação ao ARR e RevPar, onde 79% e 89%, respetivamente, indicam que será igual ou melhor ao ano anterior. Os menos otimistas são os hoteleiros da região Norte.

Quanto aos mercados neste período natalício: para os Açores serão Estados Unidos, Reino Unido e França; para a Madeira e o Algarve serão o Reino Unido, França e Estados Unidos; no Norte, Centro e Lisboa o principal mercado será o nacional, seguido de França e Espanha; e no Alentejo, os principais mercados serão o Reino Unido, França e Estados Unidos.

Réveillon em Lisboa com ocupação perto dos 100%

Para o réveillon, a nível nacional, e quanto à taxa de ocupação, 41% e 38% dos inquiridos, respetivamente, indicam que a mesma será igual ou pior do que em 2018. Para 82% dos inquiridos a TO irá situar-se entre os 70% e os 100% (sendo que para 40% dos inquiridos estará entre 90% a 100%). Sobre o ARR e RevPAR, 73% e 74% dos inquiridos, respetivamente, indicam que estes indicadores serão idênticos ou melhores do que no mesmo período do ano anterior. Prevê-se que o ARR se fixe entre os 215 e os 230 euros.

Numa análise às regiões, 92% dos inquiridos da Madeira indicam que a TO será igual a 2018 e 100% e 96%, respetivamente, indicam que o ARR e o RevPAR também serão idênticos ou melhores ao ano anterior. Neste destino, prevê-se que o ARR fique entre os 270 e os 290 euros; e a taxa de ocupação, para 81% dos hoteleiros, se fixe entre os 80% e os 100%.

Na região Norte, 83% dos inquiridos apontam uma TO entre os 80% e os 100%, 45% dos inquiridos a considerarem que o ARR e o RevPar será melhor do que no ano anterior.

Em Lisboa, 86% dos hoteleiros apontam para uma taxa de ocupação de 70% a 100% (sendo que para 61% a TO estará entre os 90% e os 100%).

No Centro, a TO para 83% dos inquiridos estará entre os 80% e os 100%, enquanto no Alentejo, para 58% dos inquiridos a TO irá situar-se entre os 70% e os 89%.

Já nos Açores, 50% indicam que a TO se situará entre os 70% e os 89% e para 33% a mesma estará abaixo dos 50%.

O principal mercado no Norte e Centro é Portugal, seguido de Espanha e França. Em Lisboa, os principais mercados serão Espanha, Estados Unidos e Portugal; no Alentejo temos os Estados Unidos e Reino Unido como principais mercados, seguidos de França; no Algarve e na Madeira o principal mercado é o Reino Unido, seguido de França; e nos Açores os principais mercados serão os Estados Unidos, o Reino Unido e França.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários