PremiumHotelaria madeirense tem taxa de ocupação de 95% na noite de ‘réveillon’

Unidades tiveram alguns cancelamentos para início e meados de dezembro, dado o agravamento da situação pandémica na Europa, mas esse efeito ainda não se alastrou para as épocas festivas.

A hotelaria na Madeira já superou os níveis pré-pandémicos no segundo semestre deste ano e tem taxas de ocupação previstas de 95% para o fim do ano.

“Na Madeira, o segundo semestre do ano foi totalmente diferente do primeiro. A partir dos meses de julho e agosto começámos a sentir a retoma, e mês após mês temos estado com ocupações inclusive superiores às que registámos em 2019. A retoma aconteceu de forma mais expressiva do que prevíamos”, refere a administradora do PortoBay Hotels & Resorts com o pelouro de Marketing e Comunicação, Fabíola Pereira, destacando que a retoma da operação turística e da procura internacional pelo destino Madeira foram fatores decisivos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 10 de dezembro.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários