Hotelaria: Taxa de ocupação atinge 79% em outubro

Em outubro de 2017, a taxa de ocupação por quarto em Portugal cresceu 2,1 pontos percentuais, em comparação com outubro de 2016.

De acordo com o AHP Tourism Monitors, ferramenta exclusiva de recolha de dados da Hotelaria nacional trabalhados mensalmente pela AHP – Associação da Hotelaria de Portugal, em outubro último, a taxa de ocupação quarto (TO) em Portugal cresceu 2,1 p.p., em comparação com outubro de 2016, atingindo os 79%.

Por destinos turísticos, cabe a Lisboa (92%), ao Porto (87%) e à Madeira (84%) a maior taxa de ocupação. De registar na Madeira o decréscimo, em variação, de 4,4 p.p. neste indicador resultado também dos ventos que condicionaram a operação no Aeroporto Cristiano Ronaldo no início de outubro e que obrigaram ao cancelamento de vários voos.

O ARR (Preço médio por quarto ocupado) fixou-se nos 90 euros, representando mais 15% do que no período homólogo. Os destinos turísticos Leiria/Fátima/Templários e Lisboa (mais 23%) e Açores (mais 19%) registaram os maiores crescimentos neste indicador. Destaque ainda para as 4 estrelas onde a variação foi de mais 18% face a outubro de 2016.

O RevPAR (Preço médio por quarto disponível) registou um crescimento muito expressivo de 18%, face ao mesmo mês do ano anterior, fixando-se nos 71 euros, com os destinos turísticos Lisboa (119 euros), Grande Porto (74 euros) e Estoril (70 euros) a registarem os valores de RevPAR mais elevados.

Em outubro de 2017, a receita média por turista no hotel obteve um aumento de 8% face a 2016, fixando-se nos 129 euros. Na análise por destinos turísticos, Lisboa foi novamente o destino que mais cresceu, com mais 24% face a outubro de 2016, seguido dos Açores com mais 22% e de Leiria/Fátima/Templários com mais 18%.

A estada média fixou-se nos 1,95 dias, menos 1% do que em igual período do ano anterior. Madeira (5,40 dias), Açores (3,22 dias) e Algarve (2,86 dias) foram os destinos turísticos que tiveram os valores mais elevados. De salientar que a Madeira e o Algarve registaram uma queda homóloga de 10% e 3%, respetivamente, em variação, neste indicador.

Relacionadas

Alojamento local em Portugal mais do que quadruplicou nos últimos três anos

Dos mais de 55 mil estabelecimentos registados, 36.289 operam na modalidade de apartamento, 15.228 em moradias e 3.828 em estabelecimentos de hospedagem, dos quais 506 são ‘hostels’.

Profissionais da hotelaria desafiados a atualizar conhecimentos de “Revenue Management”

Esta formação consiste em providenciar aos formandos as mesmas bases de “Revenue Management” que algumas das grandes cadeias internacionais implementaram ao longo dos últimos anos.

Reembolso de IVA nas compras dos turistas tornou-se eletrónico. O que falta mudar?

O turismo de compras cresceu em Portugal, mas os comerciantes precisam de tempo para adaptar os seus softwares de faturação. “É raro ver tantos agentes económicos a partilharem a mesma visão sobre o mesmo tema, independentemente da sua dimensão e recursos”, afirma ao Jornal Económico Renato Lira Leite, ‘country manager’ da Global Blue.

Portugueses rumam a Lisboa, Madeira e Algarve para passar Natal e Fim do Ano

A costa Algarvia é o destino que regista uma maior preferência de viajantes estrangeiros, nomeadamente, as localidades de Albufeira, Lagos e na Praia da Luz.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Continental Engineering Services quer contratar 200 pessoas e duplicar efetivos até final de 2023

A subsidiária do Grupo Continental, que fornece serviços de engenharia às indústrias, abre as suas portas na cidade Invicta ao primeiro ‘OPEN DAY’ no próximo dia 29 de setembro para um primeiro contacto com jovens candidatos.

Banca europeia vai beneficiar da receita com juros, mas esta será consumida pelo aumento das imparidades para crédito

O relatório conclui que taxas de juros crescentes trazem margem financeira para os bancos europeus, mas custos e imparidades mais altos compensarão os benefícios. Nesta amostra  de 34 maiores bancos europeus não estão incluídos bancos portugueses e há três espanhóis (Santander, BBVA e CaixaBank).
Comentários