Hoti Hotéis investe 140 milhões de euros até 2027 e acrescenta mais de 800 quartos

Ricardo Rodrigues disse ainda que o grupo mantém a “perspetiva de estar atento a todas as oportunidades”, nomeadamente em Espanha, mercado para onde continuam a olhar como uma forma de expandir.

A Hoti Hotéis vai investir 140 milhões de euros até 2027 em várias unidades hoteleiras das marcas que opera, acrescentando ao seu portefólio mais 816 quartos, disse esta terça-feira presidente do grupo, Miguel Proença.

“Entre os [projetos] que estão mais clarificados, estamos a falar de 816 quartos, num total neste conjunto de projetos a desenvolver daqui para a frente até 2026, 2027, cerca de 140 milhões de euros”, disse hoje o CEO num encontro com jornalistas.

Já segundo o administrador do grupo Ricardo Rodrigues, o primeiro projeto a avançar, “em princípio no primeiro trimestre do próximo ano, vai ser em Braga, “um hotel com 109 quartos mesmo no centro”. “É um hotel temático enquadrado no centro histórico e, por isso, será o primeiro projeto pós-covid a ser lançado pelo grupo”, disse aos jornalistas.

O mesmo responsável disse que na calha estão ainda dois projetos “à espera do licenciamento” na Câmara de Viana do Castelo e de Famalicão, que serão “dois Meliá, mais ou menos, com 120 quartos”.

“Mas esses processos só vão avançar efetivamente assim que estiver aprovado pelas autarquias o licenciamento”, disse, adiantando terem ainda um outro projeto, que também foi público, que o grupo ganhou no âmbito do Programa Revive em São João da Madeira.

“Estamos também a trabalhar no lançamento de um desenvolvimento de raiz de um Star Inn em Aveiro. Nós comprámos o terreno, ainda está em processo embrionário de licenciamento, mas é um dos projetos que o grupo tem para desenvolver”.

Ricardo Rodrigues disse ainda que o grupo mantém a “perspetiva de estar atento a todas as oportunidades”, nomeadamente em Espanha, mercado para onde continuam a olhar como uma forma de expandir.

“Fizemos um acordo com a Wyndham para o desenvolvimento da marca Tryp em Portugal, somos ‘master franchising’ da marca Tryp para Portugal e para Espanha, por isso podemos desenvolver a marca. Vamos agora manter aqui em Portugal cinco hotéis com a marca Tryp e a lógica é escalar este número de hotéis. Apesar da marca não ser nossa, temos esse instrumento que nos permite alavancar o nosso crescimento”, reforçou o administrador.

“Pode-nos abrir a porta de Espanha, sim”, admitiu, acrescentando que estão “atentos” ao mercado vizinho.

A Hoti Hotéis prevê ainda avançar com um Meliá na Avenida Boavista, no Porto, com 220 quartos, um cinco estrelas, que ainda não está em licenciamento, o grupo só tem o terreno.

“Tal como temos outros terrenos ainda sem licenciamento e outras situações com projetos licenciados, mas que não conseguimos desenvolver, como é o caso de um terreno no Largo do Rato, em Lisboa, onde as licenças estão pagas, mas cujo projeto está à espera há cinco anos que haja uma decisão do Tribunal Administrativo de Lisboa. Temos outro em ‘standby’ em Vila Real de Santo António, etc. São várias estas situações”, adiantou.

O Grupo Hoti Hotéis conta, atualmente, com 18 hotéis, nomeadamente das marcas Meliá, Star Inn, Tryp e Moxy (Marriot), sendo 17 em Portugal e um, Meliá Maputo, em Moçambique.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários