Humanidade só se salva se defender o planeta Terra e a biodiversidade- Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que a única saída para salvar a Humanidade é “investir no planeta Terra” e deter a perda de biodiversidade.

“Esqueçam-se os sonhos de alguns multimilionários. Não há planeta B. Só investindo no planeta Terra podemos assegurar o nosso futuro”, disse Guterres, ao abrir a primeira sessão de negociações da 15.ª Conferência das Partes (COP15) sobre Biodiversidade, em Montreal, no Canadá.

Guterres voltou a solicitar aos representantes de 196 Estados, presentes na COP15 até 19 de dezembro, que alcancem um acordo sobre a biodiversidade global, que cheguem a um compromisso ambicioso, “uma verdadeira paz com a Natureza, para garantir um futuro verde e saudável para todos”.

O secretário-geral da ONU também realçou a necessidade de proteger os defensores do ambiente.

Um relatório divulgado em setembro, pela organização não Global Witness, apontou que durante a última década foi assassinado em média um ativista em cada dois dias no mundo, no total de 1.700 desde 2012.

“Um dos aspetos que me preocupa é uma relação é a perseguição dos defensores dos direitos humanos em geral, incluindo os ativistas ambientais”, destacou.

Guterres insistiu com as instituições financeiras para que deixem de financiar a exploração de combustíveis fósseis e passem a fazê-lo em relação a projetos de energia renovável

O chefe máximo da ONU vinculou ainda a luta contra as alterações climáticas à preservação da biodiversidade no planeta.

“Derrotar as alterações climáticas só é possível se formos capazes de reverter a perda de biodiversidade”, disse.

As afirmações iniciais de Guterres foram interpretadas como uma crítica ao multimilionário Elon Musk e aos seus planos de colonização do planeta Marte.

Musk, que é o fundador da SpaceX, dedicada à produção de foguetes e satélites, sustenta que a Humanidade precisa colonizar Marte e outros planetas para se salvar.

Recomendadas

Cerca de 3,6 mil milhões de pessoas estão vulneráveis ao aquecimento global

Se a situação não for invertida, em 20 anos ultrapassaremos os 1,5 ºC, o que provocaria a subida do nível do mar, mais chuvas e secas extremas, ondas de calor e temperaturas extremas.

Reciclagem de vidro aumentou 8% face a 2021

Segundo dados da Associação para a Gestão de Resíduos (ESGRA), a recolha seletiva de resíduos aumentou 5% em 2022 face ao ano anterior.

Clima: Extremos ocorridos na Amazónia afetam diretamente o Tibete

As alterações climáticas na bacia da Amazónia têm repercussões no planalto tibetano, situado a 20 mil quilómetros de distância, garantem cientistas chineses, europeus e israelitas, em artigo divulgado na revista Nature Climate Change, no início do mês.
Comentários