Hungria critica declarações de Zelensky sobre míssil que se despenhou na Polónia

O governo húngaro considerou que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky deu “um mau exemplo” ao afirmar que o míssil que matou duas pessoas numa aldeia polaca era russo.

O governo húngaro considerou que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky forneceu “um mau exemplo” ao afirmar que o míssil que matou duas pessoas na passada terça-feira numa aldeia polaca junto à fronteira ucraniana era russo.

“Em semelhante situação, os dirigentes mundiais exprimem-se de forma responsável”, declarou aos media Gergely Gulyas, chefe de gabinete do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

“Ao acusar imediatamente os russos, errou, esteve mal”, acrescentou, e congratulando-se pelo contrário com a atitude prudente da Polónia e dos Estados Unidos.

Varsóvia considerou “altamente provável” que se tratasse de um projétil antiaéreo ucraniano, ao referir-se a “um acidente infeliz”, uma hipótese perfilhada pela NATO e a Casa Branca.

No entanto, para Volodymyr Zelensky o míssil era “russo”. “O míssil não era nosso, sem qualquer dúvida”, insistiu Zelensky no final de tarde de hoje em mensagem televisiva.

O primeiro-ministro Viktor Orbán, que tenta manter relações de proximidade com o Kremlin, em particular devido ao fornecimento de energia, mantém relações tensas com Zelensky, apesar de ter denunciado a ofensiva russa na Ucrânia.

“A Rússia é a única responsável por esta guerra, sem guerra não haveria queda de mísseis da Polónia”, argumentou Gulyas, fazendo eco das declarações sobre este incidente anteriormente emitidas pela NATO e pela administração norte-americana.u

Recomendadas

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.

Joe Biden assina lei que evita greve ferroviária antes do Natal nos EUA

O Presidente dos EUA, Joe Biden, assinou hoje uma lei que impede a greve ferroviária em véspera de Natal, mas que vai contra as exigências de alguns sindicatos, ao deixar os trabalhadores sem dias de baixa por doença remunerados.
Comentários