Hungria diz que não condiciona alargamento da NATO ao envio de verbas comunitárias

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, assegurou hoje que não irá condicionar a ratificação do alargamento da NATO ao envio a Budapeste de fundos comunitários congelados por Bruxelas devido à situação do estado de Direito no país.

“Cara Sanna Marin [primeira-ministra da Finlândia], entre amigos não há necessidade de pedir que se esclareçam as coisas: a Hungria nunca vinculou nem vinculará nenhuma questão com a questão dos fundos da União Europeia”, assegurou Orbán na sua conta no Twitter, em reação a declarações prévias da homóloga finlandesa.

O primeiro-ministro afirmou que “o mesmo sucede com a adesão da Finlândia à NATO” e acrescentou que o parlamento húngaro tratará do tema da ampliação da Aliança em janeiro, na sua primeira sessão de 2023.

Em entrevista divulgada no passado fim de semana, Marin assegurou que quando voltasse a encontrar-se com o homólogo húngaro lhe perguntaria se relaciona os dois assuntos.

À exceção da Hungria e Turquia, 28 dos 30 Estados-membros da NATO já ratificaram a adesão da Finlândia e Suécia, que solicitaram a integração na organização militar ocidental após a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro.

O primeiro-ministro magiar, definido como um ultranacionalista ou soberanista, tem-se revelado no líder comunitário que tem mantido contactos mais frequentes com o Presidente russo Vladimir Putin após a invasão.

Na semana passada, Orbán já tinha anunciado que o parlamento húngaro irá abordar o tema da adesão dos dois países nórdicos à NATO.

O partido Fidesz, no poder e presidido por Orbán, garante no parlamento uma confortável maioria absoluta e o primeiro-ministro já afirmou por diversas vezes que apoia a integração da Finlândia e Suécia.

A Comissão Europeia congelou o envio de 1,5 mil milhões de euros à Hungria ao alegar deficiências no cumprimento das normas do estado de Direito por parte do Executivo magiar.

Recomendadas

Presidente croata condena envio de armas ocidentais para a Ucrânia

Zoran Milanovic criticou as políticas ocidentais em relação à Rússia mas também a forma como a Europa está a atuar nos Balcãs. O presidente adverte que é a Europa e não os Estados Unidos que está a pagar a fatura da guerra.

Ucrânia. Presidente checo apoia entrada na NATO e ajuda militar “quase sem limites”

Petr Pavel disse que a ajuda militar à Ucrânia deve acontecer “quase sem limites”, mas tem dúvidas de que os caças F-16 possam chegar a tempo de ajudarem a defender o território ucraniano.

Ucrânia. Joe Biden nega envio de caças F-16 para apoiar na guerra

O presidente dos EUA deixou a garantia de que não vai enviar aquelas aeronaves de combate. Por outro lado, o presidente francês reúne hoje com o ministro da Defesa ucraniano e fez saber que não tomou ainda uma decisão.
Comentários