Hungria insiste na entrada da Turquia na União Europeia

O presidente do Parlamento turco, Mustafa Şentop, encontrou-se com o seu homólogo húngaro Laszlo Kover em Budapeste. A União não quer a Turquia no sei seio, mas a questão sérvia pode mudar tudo.

O presidente do Parlamento turco, Mustafa Şentop, e sua delegação chegaram à Hungria em visita oficial, tendo-se encontrado com o seu homólogo húngaro, Laszlo Kover. Numa declaração conjunta, ficou claro que o lado húngaro quer a Turquia no seio da União Europeia (UE). Convém perceber-se que Kover é alguém com peso político suficiente para que as suas declarações não sejam mera ‘decoração’ ao longo do encontro.

O presidente do Parlamento é um dos fundadores do Fidesz em 1988, o partido do primeiro-ministro Viktor Orbán, já foi ministro e continua a fazer parte do círculo próximo do poder.

Şentop sublinhou que os desenvolvimentos bilaterais e regionais foram avaliados durante a reunião e chamou a atenção para a guerra na Ucrânia. “Há guerra na nossa região. Existem problemas que ela criou, especialmente de migração, alimentação e crise energética. Consideramos positiva e valiosa a abordagem realista da Hungria aos problemas internacionais. Expressei os meus agradecimentos pelo apoio da Hungria no processo de adesão da Turquia à União Europeia”, disse.

Por seu lado, o presidente do parlamento húngaro disse que “conversámos sobre os efeitos das ameaças atuais. As atividades da Turquia são muito importantes para a Hungria. Principalmente em termos de estabilidade. Podíamos ter tido uma enorme crise alimentar mundial, mas com a ajuda da Turquia, ela foi evitada”.

É nesse quadro do aumento da influência turca na região (e para além dela) que a Hungria reforçou o seu apoio à entrada da Turquia na UE. Kover afirmou que “apoiamos a adesão“.

O problema é que, claramente – e apesar das promessas antigas – a União não ‘paga’ da mesma moeda: a adesão da Turquia é um dossiê parado e, mais que isso, atirado para dentro de uma gaveta.

Pode ser que as coisas mudem de figura, dizem alguns analistas, mas é preciso esperar. A questão tem a ver com o facto de a Rússia e a Sérvia terem estreitado as suas relações e, de imediato, a União ter optado por promover o bloqueio da entrada do país balcânico na UE. Ora, a eventualidade da entrada da Sérvia – o país mais importante da região – estar bloqueada em definitivos, o que é bastante provável, muda a relação de forças na região.

E a Comissão Europeia pode chegar à conclusão que, sem a Sérvia, mais vale contar com o contributo da Turquia para aumentar o ‘poder de fogo’ político da própria União. De qualquer modo, é preciso esperar para se ver no que dão as novas reservas da UE face à Sérvia.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários