Ibersol conclui venda do Burger King às sociedades controladas pela Restaurant Brands Iberia

A Ibersol vendeu à Restaurant Brands Iberia as duas empresas que operam os restaurantes Burger King em Portugal e Espanha, anunciou a cotada portuguesa num comunicado enviado à CMVM.

A Ibersol vendeu à Restaurant Brands Iberia as duas empresas que operam os restaurantes Burger King em Portugal e Espanha, anunciou a cotada portuguesa num comunicado enviado à CMVM. Esta compra e venda “produz plenos efeitos” a 30 de novembro, “uma vez obtida a confirmação por parte do notário espanhol”.

No comunicado a Ibersol revela que “as partes vendedoras (subsidiárias da Ibersol SGPS) e as partes compradoras (sociedades controladas pela Restaurant Brands Iberia) levaram esta quarta-feira a cabo, perante notário espanhol e junto das demais partes relevantes, as ações necessárias para efeitos da conclusão da compra e venda (incluindo o recebimento do preço)”.

Este comunicado, enviado ao mercado esta quarta-feira, vem na sequência dos comunicados de 2 de agosto e 16 de novembro de 2022 que relataram “a compra e venda das ações representativas da totalidade do capital social da Iber King Restauração e da Lurca (que eram do Grupo Ibersol), sociedades de direito português e espanhol, respetivamente, que operam os restaurantes da marca Burger King em Portugal e Espanha”.

Em setembro, a Autoridade da Concorrência (AdC) deu ‘luz verde’ à compra pela Restaurant Brands Iberia (que detém a BK Portugal e Burger King Spain) do controlo exclusivo da Iber King e da Lurca, do grupo Ibersol, e da marca Burger King.

A 3 de agosto, a RBI anunciou a conclusão da compra dos 158 restaurantes da cadeia Burger King da Ibersol, em Portugal e Espanha, por 260 milhões de euros.

Em comunicado anterior a Ibersol revelou que o acordo avaliava as empresas em 259,7 milhões de euros (enterprise value), “numa base de cash and debt-free, estando parte do preço (no valor de 15,5 milhões de euros) sujeita à verificação de condições relacionadas com a evolução futura do EBITDA [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] e/ou geração de cash flows“.

A empresa portuguesa admitia também transferir “alguns ativos para o perímetro da transação, no valor global de 6,6 milhões de euros”, sendo que “alguns ativos imobiliários detidos pela Iber King” passam também “para outras entidades do Grupo Ibersol, no valor global de 8,4 milhões de euros”.

“Pressupondo que o valor máximo do preço é integralmente recebido, a transação resulta numa mais-valia de aproximadamente 160 milhões de euros nas contas da Ibersol”, dizia a empresa em agosto.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários