Ibuprofeno e Paracetamol podem afetar audição das mulheres

A aspirina foi também testada mas não foram encontrados efeitos secundários no seu uso.

Um estudo do Brigham and Women’s Hospital, em Boston revelou que o uso prolongado dos medicamentos anti-inflamatórios Ibuprofeno e Paracetamol pode provocar a perda de audição nas mulheres.

As mulheres que tomam regularmente estes medicamentos há mais de seis anos têm entre 9% e 10% de maior probabilidade de perderem a audição do que as que não tomam estes medicamentos, verificando-se os efeitos cerca de uma década depois da utilização.

“Preocupa-me que as pessoas pensem que os anti-inflamatórios não esteroides e o paracetamol são completamente seguros e que não precisam de se preocuparem com os potenciais efeitos secundários”, informou o investigador Gary Curhan à revista Time, acrescentando que, apesar do risco ser modesto, “tendo em conta o quão comum é o uso destes medicamentos, até uma pequena subida do risco pode ter importantes implicações na saúde”.

O estudo examinou dados de mais 54 mil mulheres entre os 48 e 73 anos, comparando o uso desses anti-inflamatórios não esteroides, com o número de casos de perda de audição.

A aspirina foi também testada mas não foram encontrados efeitos secundários no seu uso.

Recomendadas

Milhares de pessoas correm em Caracas em ação promovida pela UE sobre violência contra as mulheres

A iniciativa, que conta com uma corrida de 10 quilómetros e uma caminhada de cinco quilómetros, proporcionou uma “festa” pelas ruas da capital da Venezuela, com o principal objetivo de sensibilizar a população para que não permita “nem um único ato de violência” contra as mulheres, explicou o chefe de missão da delegação da UE, Rafael Dochao Moreno, em declarações à agência Efe.

Prémio Manuel António da Mota distingue associação que apoia famílias vulneráveis

Criada em 2010, e com sede em Vila Nova de Tazem, concelho de Gouveia, na Guarda, a Reencontro desenvolve atividades nas áreas social, educativa e cultural junto de pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade ou exclusão social.

Reino Unido vai criminalizar incentivo à automutilação nas redes sociais

A ministra do Digital, Cultura e Media do Reino Unido, Michelle Donelan, afirmou que o projeto de lei será reforçado com essa ofensa para “garantir que esses atos vis desaparecem”.
Comentários