“Ideias com Nome Próprio”. Como Francisco Nogueira pôs uma luva a combater o cancro da mama

A Glooma é uma startup de saúde digital, fundada por Francisco Nogueira, que quer detetar precocemente o cancro da mama. Como? Através de uma luva e de uma aplicação móvel. Ouça o sétimo episódio do novo podcast do JE e da autoria da jornalista Ana Pimentel.


 

Ouça e acompanhe o podcast “Ideias com Nome Próprio” em:

Apple PodcastsSpotify | Anchor | Google Podcasts

 

É engenheiro biomédico, empreendedor e foi por causa do diagnóstico tardio de uma prima que lançou a Glooma, a startup de saúde digital que quer detetar precocemente o cancro da mama. Como? Através de uma luva e de uma aplicação móvel. Com esta tecnologia, Francisco Nogueira já convenceu jurados de vários prémios e investidores e, se tudo correr bem, convencerá também o Infarmed… até 2023. Tudo para evitar que outras mulheres passem pelo mesmo.

“Ideias com Nome Próprio” é o podcast do Jornal Económico dedicado ao mundo das startups, da inovação e da revolução digital, da autoria da jornalista Ana Pimentel.

Quem são as pessoas por trás das ideias que estão a mudar o mundo e a revolucionar a forma como vivemos? O que as move e leva a procurar ir mais longe?

Estas e outras questões serão respondidas neste podcast semanal que estará disponível em www.jornaleconomico.pt e nas plataformas Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts.

Recomendadas

Bruxelas quer emitir 50 mil milhões de euros em obrigações para financiar NextGenerationEU

Bruxelas anunciou o programa de financiamento para entre julho e dezembro.

Aeroporto do Porto distinguido como “Best European Airport”

O prémio foi entregue pela organização internacional dos aeroportos, refere-se à categoria de 10-25 milhões de passageiros e destaca a qualidade do serviço, de acordo com um comunicado de imprensa da ANA Aeroportos de Portugal.

BdP rejeita subida significativa do incumprimento no crédito à habitação

Questionado sobre se espera um aumento do incumprimento das famílias no crédito habitação, devido ao aumento das taxas de juro, uma vez que a maioria daquele tipo de crédito em Portugal é contratualizado com taxas variáveis, Mário Centeno disse que “a resposta breve é não”.
Comentários