IFO revê em alta crescimento da economia alemã em 2018, para 2,6%

A economia alemã deverá continuar a crescer de forma robusta no próximo ano, segundo o IFO, que reviu em alta as suas estimativas.

O Instituto IFO reviu em alta a sua estimativa de crescimento da economia alemã no próximo ano, de 2% para 2,6%, anunciou esta entidade germânica. A confirmar-se, será o crescimento mais robusto desde 2011, salientou, numa nota enviada aos meios de comunicação internacionais.

“A economia alemã está em grande forma”, referiu o presidente do IFO, Clemens Fuest, na mesma nota. “O ímpeto verificado em 2017 vai continuar durante o ano de 2018”, salientou.

Nos últimos meses, o IFO tem revisto sucessivamente as estimativas de crescimento para a maior economia da Europa. “Vários sectores de atividade, como a construção e a indústria, estão a florescer”, referiu ainda.

No que diz respeito ao emprego, o IFO prevê que os postos de trabalho na Alemanha aumentem dos 44,3 milhões em 2017 para 44,8 milhões em 2018 e 45,2 milhões em 2019. Já o número de desempregados na Alemanha vai baixar dos atuais 2,5 milhões para 2,4 milhões em 2018 e 2,2 milhões em 2019, segundo as estimativas do IFO. Por sua vez, o índice de preços do consumidor (inflação) é visto a subir 1,8% em 2017, 1,9% em 2018 e 2,2% em 2019.

Esta bonança económica será acompanhada de um aumento do excedente da balança comercial alemã, que tem sido alvo de fortes críticas, por refletir os desequilíbrios internos da zona euro.

“O tão criticado excedente da balança de pagamentos alemã vai continuar a crescer de 252 mil milhões de euros este ano para 265 mil milhões em 2018 e 278 mil milhões em 2019”, referiu.

Relacionadas

Markit: atividade económica da zona euro volta a acelerar em dezembro

A Markit publicou esta quinta-feira a primeira estimativa para o índice PMI para a zona euro em dezembro, dando conta de um máximo de quase sete anos.

PMI: atividade económica na zona euro acelerou em novembro

Chris Williamson, economista-chefe da IHS Markit explicou que a dúvida reside na sustentabilidade do crescimento económico do bloco.

Contratações das empresas na zona euro aumentam para máximos de 17 anos

O índice PMI do setor industrial da zona euro subiu de 58,5 para os 60,0 pontos, com a taxa de emprego a registar a maior subida dos últimos 17 anos e o aumento da inflação a contribuir positivamente para a intenção do Banco Central Europeu (BCE).

Zona euro: Crescimento mantém-se forte no início do 4º trimestre

O crescimento da zona euro manteve-se forte no início do último trimestre, com o ritmo da criação de emprego a aumentar ao nível mais alto da década, segundo dados hoje divulgados pelo índice PMI.
Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir aos resultados eleitorais em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).
Comentários