IGAC manda bloquear sites. Sabe quais são?

No dia 23 de outubro a Inspeção Geral das Actividades Culturais (IGAC) mandou bloquear cinco dezenas de sites que disponibilizam ilegalmente conteúdos em Portugal. Esta terça-feira o rol aumentou para 90 sites. A IGAC entrou para o efeito em contacto com os fornecedores de serviços de Internet (os ISP) – empresas como a NOS, MEO, Cabovisão […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

No dia 23 de outubro a Inspeção Geral das Actividades Culturais (IGAC) mandou bloquear cinco dezenas de sites que disponibilizam ilegalmente conteúdos em Portugal. Esta terça-feira o rol aumentou para 90 sites.

A IGAC entrou para o efeito em contacto com os fornecedores de serviços de Internet (os ISP) – empresas como a NOS, MEO, Cabovisão ou Vodafone – e notificou-os para bloquear o acesso dos mesmos em território nacional.

A iniciativa da IGAC resulta de uma queixa apresentada “pelos titulares de direitos que foi objeto de análise (…) através da verificação da localização (nome dos domínios) e os títulos discriminados das obras protegidas disponibilizadas ao público”. Depois de analisada a informação a IGAC detetou que estavam a ser disponibilizadas ao público “obras protegidas” sem autorização dos legítimos detentores de direitos, nos referidos domínios, subdomínios, links ou hiperligações.

O PPLware publicou a lista dos 51 sites alvo de bloqueio no dia 23 de outubro, a que se somam mais 39 outros sites esta terça-feira, que em breve vão deixar de estar disponíveis para os clientes dos operadores de telecomunicações portugueses.

A IGAC recorda “que a distribuição não autorizada de obras protegidas configura crime à luz do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos”, uma vez que os titulares daqueles direitos têm “o direito exclusivo de fazer ou autorizar, por si ou através dos seus representantes, a exploração das respetivas obras”.

Os operadores têm até dia 13 para implementar as medidas necessárias para que o acesso deixe de ser possível dentro das suas redes, refere o PPLware.

OJE

Recomendadas

MyCloma Fest XMAS Edition regressa este fim-semana ao Porto

Fundada por quatro jovens em 2020, a MyCloma é uma plataforma portuguesa de compra e venda de roupa em segunda mão, uma aposta num modelo de economia circular, que visa combater o desperdício têxtil enquanto que ajuda a prolongar o ciclo de utilização dos bens. 

Investigação avalia saúde estrutural do Mosteiro da Batalha por prevenção

Uma investigação iniciada em março, no âmbito de uma bolsa de doutoramento de quatro anos, procura avaliar a saúde estrutural do Mosteiro da Batalha, Património Mundial da Unesco, com o objetivo de prevenir.

“Vinhos no Pátio” regressa de 9 a 11 de dezembro ao Pátio da Galé

A Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa e as Comissões Vitivinícolas Regionais de Lisboa e da Península de Setúbal retomam o evento Vinhos no Pátio, no Pátio da Galé. Durante três dias poder-se-ão provar mais de 200 vinhos, contactar com propostas diversificadas de enoturismo, participar em workshops e masterclasses e fazer uma pausa para petiscar.