Inspeção de Saúde inicia investigação depois de grávida morrer em transferência de hospitais (com áudio)

A mulher acabou por falecer por paragem cardiorrespiratória na ambulância. O bebé está nos cuidados intensivos.

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde instaurou esta terça-feira um processo de investigação à transferência de uma utente grávida do Hospital de Santa Maria para o Hospital de São Francisco Xavier “por uma alegada inexistência de vaga no Serviço de Neonatologia da primeira unidade hospitalar para internar o bebé quando fosse provocado o parto”.

A mulher acabou por falecer por paragem cardiorrespiratória na ambulância. O bebé está nos cuidados intensivos.

A investigação pretende responder às perguntas: “Qual foi a razão pela qual a utente foi transferida entre as duas unidades hospitalares? Quem foram os responsáveis pela decisão de transferência e sob que pressupostos clínicos asseguraram que a utente poderia ser transferida em segurança? Qual era a situação do Serviço de Neonatologia do Hospital de Santa Maria na data da transferência da utente? Em que circunstâncias ocorreu a morte da utente? Existiam soluções alternativas e mais seguras à transferência da utente?”.

A IGAS adianta que, após a elaboração e homologação do relatório do processo de inspeção, divulgará os resultados.

Recomendadas

Sysmex investe no aumento da presença no mercado português

O grupo de origem nipónico especializado em diagnósticos e serviços de hematologia, quer aproveitar a retração dos investimentos de outras empresas para cimentar a sua posição no mercado nacional.

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.
Comentários