IGCP regressa ao mercado para levantar 1000 milhões

O IGCP, agência de gestão da tesouraria e da dívida pública realiza esta manhã dois leilões das linhas de Bilhetes de Tesouro, que vencem a 18 de março (três meses) e a 18 de novembro (11 meses) de 2016, com montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Esta ida ao mercado é a primeira no consulado do Governo liderado por António Costa e encerra os leilões previstos no Programa de Financiamento do Estado do quarto trimestre, que previa arrecadar 5750 milhões de euros: 2.000 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) e 3.750 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro (BT).

Até hoje, a agência liderada por Cristina Casalinho arrecadou já 2.295 milhões de euros em OT e 2900 milhões de euros em BT.

No último leilão de Bilhetes de Tesouro comparável, realizado em finais de outubro, o Estado arrecadou 1.400 milhões de euros, acima do montante inicial previsto e a custos inferiores: 300 milhões de euros a três meses em troca de uma taxa de juro negativa de 0,021% e 1100 milhões de euros a 11 meses com um juro médio de 0,06%.

OJE

 

Recomendadas

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.