IGCP vai realizar troca de OT amanhã para alongar maturidades e baixar custo

A primeira emissão que vai ser recomprada, segundo a informação pública, tinha sido emitida em novembro de 2018 à taxa de 4,95% e o montante é de 498 milhões de euros. A segunda emissão foi emitida em 2017 à taxa de 5,65% e o montante colocado foi de 550 milhões de euros. O IGCP vai emitir dívida a 6 e 13 anos em troca.

Cristina Bernardo

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública vai realizar uma oferta de troca de Obrigações do Tesouro nesta quarta-feira, dia 6 de julho de 2022, de dívida que vence em outubro de 2023 e 2024 por dívida que irá ser emitida a seis e a 13 anos.

O leilão de troca vai ser realizado pelas 10h00 horas e consiste numa oferta de troca recomprando as emissões “PTOTEAOE0021– OT 4,95% 25out2023” e “PTOTEQOE0015– OT 5,65% 15fev2024”, ou seja emissões que venceriam a 25 de outubro de 2023 e a 15 de fevereiro de 2024, por novas emissões que vencem, respectivamente, em 2028 e 2035.

A primeira emissão que vai ser recomprada, segundo a informação pública, tinha sido emitida em novembro de 2018 à taxa de 4,95% e o montante é de 498 milhões de euros. A segunda emissão foi emitida em 2017 à taxa de 5,65% e o montante colocado foi de 550 milhões de euros.

Em troca da recompra destes títulos a instituição liderada por Cristina Casalinho vende uma emissão a seis anos “PTOTEVOE0018– OT 2,125% 17out2028”, emitida com juro de 2,125% e maturidade em outubro de 2028. Vende também, em troca da recompra da atual emissão que vence em 2024, uma emissão de OT a 13 anos, que vence em outubro de 2035, e com um juro de 0,9% (PTOTENOE0034– OT 0,9% 12out2035). Não foi avançado o valor das novas emissões.

Recomendadas

Wall Street encerra no ‘verde’ impulsionado por dados da inflação e sector tecnológico

O Nasdaq apreciou 2,89% para 12.854,81 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 ganhou 2,10 % para 4.209,00 pontos e o industrial Dow Jones valorizou 1,63 % para 33.309,45 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 avançou 2,91% para 1.964,55 pontos.

“Portugal devia focar-se numa maior aposta no sector privado”, defende analista da XTB

Apesar de Portugal ser a economia que mais cresce na Zona Euro mas o aumento das taxas de juro pode expor o país devido ao elevado nível de vida. Henrique Tomé, analista da corretora XTB, analisa o cenário de recessão na Zona Euro e nos EUA nesta “Fast Talk” da JE TV.

Bolsa de Lisboa contraria congéneres europeias e encerra no ‘vermelho’

Quanto ao mercado cambial, o euro está a ter uma valorização face ao dólar, com uma subida de 1,19%, para os 1,0332 dólares.
Comentários