Iguarias e muita animação no Palácio Chiado

A pensar em todos os indecisos, que nunca sabem o que fazer no último dia do ano, o Palácio Chiado preparou um programa a que se torna difícil dizer que não.

A pensar em todos os indecisos, que nunca sabem o que fazer no último dia do ano, o Palácio Chiado preparou um programa a que se torna difícil dizer que não. Se não dispensa uma refeição sublime, este torna-se o sítio ideal para celebrar a entrada no novo ano que se avizinha.

Para este dia, foi desenvolvido um menu especial, digno de quem celebra as doze badaladas num palácio, composto por entradas, prato de peixe, prato de carne e sobremesa. É também apresentada uma opção vegetariana.

Todos os pratos apresentados pelo chef Manuel Bóia são acompanhados por uma seleção de vinhos cuidadosamente pensada e, quando soarem as doze badaladas, o primeiro brinde do ano é feito com um flute de champanhe.

No restaurante, das 19 às zero horas, Bill Onair irá fazer-lhe companhia durante a sua viagem gastronómica, mas a música continua, depois, no Bar Salla com os Dj’s Ramboiage e Bill Onair que até às quatro da manhã vão animar todos os que por ali passarem.

Num espaço onde a arquitetura centenária se junta à modernidade de pratos gastronómicos e à boa música, torna-se mais fácil escolher onde celebrar o fim de 2021. Com um valor de 200 euros por pessoa com jantar e after party ou 45 euros apenas para a after party no bar Salla.

Confira as sugestões gastronómicas na galeria.

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.
Comentários