IKEA desmente venda de mesa em forma de suástica

É, provavelmente, a mesa mais polémica dos últimos tempos. A multinacional foi obrigada a desmentir que este artigo pertencia ao seu catálogo.

A multinacional IKEA veio a público negar a venda de uma mesa em forma de suástica, depois de uma imagem falsa ter sido colocada online, de acordo com notícia publicada no Daily Mail.

A fotografia que se pensava ser de um catálogo italiano do IKEA, mostra uma mesa com a forma da cruz suástica e com um nome sugestivo: Hadølf. Uma questão que provocou grande indignação nas redes sociais depois de se ter tornado viral na Alemanha.

“É claro que essa mesa não faz parte do nosso catálogo, nem na Itália, nem em lado nenhum”, afirmou o porta-voz da empresa ao The Berliner Zeitung.

O valor da mesa é 88 euros, um número muito polémico nesta matéria já que é associado a um código de abreviatura de Heil Hitler (H é a oitava letra do alfabeto).

A empresa planeia investigar a fonte da fotografia e tomar medidas legais já que se trata de um tema particularmente sensível, tendo em conta o facto de Ingvar Kamprad, fundador da empresa, ter sido membro de um grupo neo-nazi na sua juventude.

Kamprad, a 162º pessoa mais rica do mundo, chamou o seu breve envolvimento de “o maior erro de sua vida”, e pediu desculpa ao seu staff, em particular aos descendentes de judeus.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários