IKEA investe mil milhões para reduzir emissões de carbono

O Grupo IKEA e a IKEA Foundation anunciaram, recentemente, no âmbito da sua estratégia de sustentabilidade Pessoas Positivas, Planeta Positivo, o investimento de mil milhões de euros para acelerar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Peter Agnefjäll, presidente e CEO do Grupo IKEA defendeu, esta segunda-feira, na Cimeira do Clima de Paris que “é necessária uma ação urgente para combater as alterações climáticas”. De acordo com o responsável máximo da fabricante de móveis, “as comunidades em todo o mundo e o sucesso das empresas dependem disso. É por esse motivo que o Grupo IKEA está empenhado em fazer parte da solução. Combater as alterações climáticas é, para nós, um fator de inovação, investimento e renovação”.

E mais que palavras, o Grupo IKEA passou à ação. O Grupo IKEA e a IKEA Foundation anunciaram, recentemente, no âmbito da sua estratégia de sustentabilidade Pessoas Positivas, Planeta Positivo, o investimento de mil milhões de euros para acelerar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono e para apoiar as comunidades que sofrem um maior impacto com as alterações climáticas.

Uma das principais metas passa por produzir tanta energia renovável como a que o Grupo consome nas suas operações até 2020. Também na área da energia eólica e solar, o Grupo IKEA já está a investir 1.500 milhões de euros.

“Estamos a investir em energia renovável porque queremos ter um impacto positivo e acelerar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono. Uma decisão que também faz todo o sentido em termos de negócio porque nos dá maior controlo sobre os custos da energia e apoia a nossa visão de criar um melhor dia a dia para a maioria das pessoas” reforça Peter Agnefjäll.

Em setembro, a IKEA concluiu também a conversão de toda a sua gama de iluminação para LED, que utiliza até 85% menos energia que as lâmpadas incandescentes e dura até 20 anos.

Se todas as 500 milhões de lâmpadas LED vendidas substituírem as incandescentes, teremos poupado energia suficiente a cada ano para ir ao encontro das necessidades anuais de eletricidade de cada casa em Paris e Londres. Durante o tempo de vida das lâmpadas terão sido poupadas 80 milhões de toneladas de CO2. O Global Lighting Challenge é uma iniciativa que visa atingir vendas globais acumuladas de 10 mil milhões de produtos de iluminação altamente eficientes e de qualidade até 2020.

OJE

Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.