Ikea paga indemnizações por mortes com cómodas à venda em Portugal

A marca de imobiliário sueco já recolheu 29 milhões de unidades das cómodas da gama Malm nos EUA, depois de terem sido reportados sete casos fatais.

A loja Ikea vai pagar 48 milhões de euros de indemnizações pela morte de três crianças com menos de dois anos nos Estados Unidos.

As mortes estão relacionadas com cómodas da gama Malm, que foram retiradas do mercado.

Em Portugal os referidos móveis continuam à venda, como se comprova pelo catálogo disponível, apesar de a empresa ter anunciado no passado mês de junho a retirada nos mercados o Canadá e EUA.

A marca de imobiliário sueco já recolheu 29 milhões de unidades das cómodas da gama Malm nos EUA, depois de terem sido reportados sete casos fatais desde 1989, segundo revela o jornal norte-americano Philadelphia Inquirer.

No decorrer do processo legal a marca argumentou más práticas dos consumidores, que desrespeitavam as normas de segurança indicadas nas instruções, em específico a questão de fixação dos mesmos a uma parede, no entanto empresa decidiu mesmo assim doar 100 mil dólares a uma instituição de caridade e 50 mil dólares a cada um de três hospitais pediátricos localizados nas áreas onde os meninos moravam.

A empresa refere que a decisão de retirar este produto do mercado nos Estados Unidos e Canadá se deve ao cumprimento “da norma ASTM F2057-14, aplicável exclusivamente na América do Norte e não será aplicada nos restantes mercados, incluindo Portugal”, segundo divulgam meios de comunicação.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir aos resultados eleitorais em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Digi e Cellnex celebram acordo para instalação de rede 5G em Portugal

Esta é a primeira informação oficial a surgir depois de a Digi ter investido mais de 67 milhões de euros na compra de licenças 5G no leilão da Anacom.

Mastercard quer oferecer soluções tecnológicas de pagamento que incluam criptomoedas

A Economista Responsável pelos Mercados da Europa, Médio-Oriente e África no Instituto Económico da Mastercard, Natalia Lechmanova, mostrou como os hábitos dos consumidores estão a alterar-se nas economias ocidentais, onde “as pessoas estão a dar cada vez mais prioridade às experiências e menos a “coisas”.
Comentários