IL pede “enorme transparência” no cálculo das pensões

O grupo parlamentar da Iniciativa Liberal (IL) enviou um conjunto de questões ao Governo sobre os cálculos das pensões, dizendo ser precisa “uma enorme transparência” e “necessário ao Parlamento conhecer todas as premissas”.

Lusa

De acordo com um documento, os deputados da IL afirmam que os dados solicitados são fundamentais “para o escrutínio eficaz das medidas do Governo”.

“(…) É necessária uma enorme transparência quanto a qualquer ato que interfira com o cálculo das pensões, sendo necessário ao Parlamento conhecer todas as premissas, nomeadamente quais as projeções futuras relativas à evolução dos salários e da pirâmide demográfica em Portugal, quais as projeções relativas ao PIB, à produtividade e à inflação para os anos vindouros, entre outros fatores que vão afetar as contribuições e os pagamentos da Segurança Social no modelo de cálculo utilizado pelo Governo nesta estimativa”, escrevem.

Os liberais adiantam que “ficou claro” que o Governo procedeu a um “corte permanente” nas pensões a partir de 2024. “O Governo, após ter primeiro negado a existência desses cortes, veio posteriormente defender-se invocando a sustentabilidade da Segurança Social”, recordam, expondo como “isto se iria refletir negativamente na carteira dos contribuintes em 2024”.

O grupo parlamentar da IL critica ainda o documento enviado pelo Governo ao parlamento, na segunda-feira, no qual “constam cálculos que mostram que os primeiros saldos negativos da Segurança Social chegariam no final da década de 2020 e ultrapassariam os mil milhões de euros por ano”.

“Deste documento consta, igualmente, que o Fundo de Estabilização Financeira, i.e., a reserva que tem por objetivo pagar as pensões nos momentos em que as despesas excederem as receitas, veria, caso não se tomasse esta decisão, o seu tempo de vida reduzir-se 13 anos”, sublinha, acrescentado que “não é possível analisar quais as premissas que o Governo utiliza para projetar os recebimentos e gastos futuros da Segurança Social, porque estas não foram partilhadas no documento de três páginas enviado pelo Governo em forma de esclarecimento”.

Nas perguntas enviadas ao Governo, os liberais questionam a data de elaboração das projeções entregues no parlamento, os pressupostos demográficos e os pressupostos financeiros subjacentes à projeção.

Recomendadas

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.
Comentários