Iluminação de Natal a meio gás em Angola

Crise financeira e dificuldades de fornecimento de eletricidade estão a obrigar a capital angolana a reduzir na iluminação de Natal deste ano.

A capital angolana vai estar menos iluminada neste Natal. A crise financeira e as dificuldades no fornecimento de eletricidade da rede pública estão a obrigar o Governo a reduzir na iluminação e ornamentações de Natal em Luanda.

“A capacidade de fornecimento da ENDE [Empresa Nacional de Distribuição de Eletricidade] neste momento é muito reduzida e condicionada. A iluminação pública de Luanda vive este drama”, conta o diretor para as infraestruturas e serviços técnicos do Governo da Província de Luanda, Osvaldo Amaral.

Apesar de conseguir garantir a iluminação numa escala inferior à dos anos precedentes, Osvaldo Amaral receia que as restrições no fornecimento de energia elétrica que Luanda tem vivido, com os constantes apagões, provocados pelo aumento do consumo e pela conclusão das obras na barragem de Cambambe, na província de Cuanza Norte, conduzam a apagões prolongados durante a quadra natalícia.

Osvaldo Amaral afirma que a prioridade este ano passou por “embelezar as ruas tradicionais” de Luanda. “Estamos a fazer todo um esforço para tornar Luanda mais limpa e mais agradável, mas as condições do país às vezes não permitem”, salienta Osvaldo Amaral.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Novo mecanismo de ‘financiamento verde’ para África faz primeiro negócio de 100 milhões

O Fundo de Liquidez e Sustentabilidade (LSF), criado pela UNECA e pelo Afreximbank, fez o seu primeiro negócio de 100 milhões de dólares, potenciando as emissões de dívida pública ‘verde’ dos países africanos, incluindo Angola.

China diz que repórter da BBC preso “não se identificou como jornalista”

A China disse hoje que o jornalista da BBC, detido no domingo, durante um protesto em Xangai, não se identificou como jornalista, após a cadeia televisiva britânica ter revelado que um dos seus colaboradores foi preso e “espancado” pela polícia.
Comentários