Imagem de Marcelo usada em propaganda jihadista

Presidente da República aparece em vídeo do Estado Islâmico onde é apelidado de “infiel” ao lado do rei Mohammed VI – o “muçulmano sem vergonha”.

Está a ser utilizada uma fotografia do Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, num vídeo de propaganda do autoproclamado Estado Islâmico. A imagem foi tirada em junho deste ano, quando Marcelo Rebelo de Sousa, durante uma visita a Marrocos, condecorou o rei Mohammed VI com a Ordem de Santiago.

O caso foi ontem revelado pelo comentador e especialista em assuntos de segurança internacional, Nuno Rogeiro, num seminário sobre “Estratégias de comunicação em contexto de terrorismo”, que contou com a presença de altos dirigentes das secretas nacionais e internacionais.

Nuno Rogeiro conta que o vídeo, com o nome “Geração do Califado”, começa por mostrar a juventude do “dito Estado dito Islâmico”, “bem formada, bem preparada em escolas e mesquitas, e tem uma moral superior aos jovens de países árabes e islâmicos ‘corruptos’”. Entretanto o vídeo avança com os “dirigentes ‘pseudo-islâmicos’ que se vergam ao Ocidente e são seus serventes”. E é aí que aparece Marcelo a agraciar o rei marroquino com o título honorífico da Ordem de Santiago.

O Estado Islâmico critica Mohammed VI por ter recebido o prémio de um “infiel” e é considerado um “líder dito muçulmano que não tem vergonha”. “O verdadeiro Islão não esquecerá estes atos”, conclui a mensagem.

O Gabinete da Presidência, contactado pelo DN, afirma que já tinha conhecimento do caso e assegurou que “as autoridades competentes tomaram conta do assunto”. A situação foi avaliada pelos serviços de informações que conclui que o “alvo” não era Marcelo mas sim o rei de Marrocos.

Nuno Rogeiro, na sua intervenção no seminário, mostrou vários exemplos da utilização das redes sociais e sites online, onde por dia proliferam cerca de 90 mil mensagens extremistas.

Recomendadas

Luís Menezes Leitão formaliza recandidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

O atual bastonário da Ordem dos Advogados, Luis Menezes Leitão, anunciou que formalizou esta terça-feira em Lisboa a sua recandidatura ao cargo para o triénio 2023-2025.

Censura do Chega a Santos Silva “padece de inconformidade constitucional e regimental”

A iniciativa do Chega que pretende censurar o comportamento do presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, “padece de inconformidade constitucional e regimental”, não tendo condições para ser admitida, defende um parecer elaborado pela deputada única do PAN.
Carlos Moedas

Um ano de Carlos Moedas. Oposição lança críticas à liderança do autarca da Câmara de Lisboa

No geral, PS, PCP e BE fazem uma avaliação negativa da liderança do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e todos os partidos falam em retrocessos ou más decisões, especialmente no que toca à habitação.
Comentários