Imigrantes da caravana sul-americana pedem dinheiro a Trump para desistir de entrar nos EUA

Cerca de 100 integrantes da caravana solicitam por carta a entrada nos Estados Unidos ou, em alternativa, a atribuição de uma espécie de subsídio de regresso.

A.Carrasco Ragel/EPA via Lusa

Cerca de 100 imigrantes sul-americanos da caravana que está parqueada junto à fronteira entre o México e os Estados Unidos levaram uma proposta ao consulado norte-americano em Tijuana pedindo autorização para entrarem no país ou, em alternativa, solicitando dinheiro para voltarem para casa.

Dezenas de imigrantes, a maioria das Honduras, seguiram para o consulado norte-americano e entregaram uma carta endereçada ao presidente Donald Trump, dando-lhe um prazo de 72 horas para obterem uma resposta. O texto solicita que as autoridades norte-americanas aceitem a entrada de ”todos os membros” da caravana nos Estados Unidos, principal objetivo desde que deixaram os seus países de origem, em outubro passado.

“Se não quer a nossa entrada no território, pedimos que leve Juan Orlando Hernández (presidente de Honduras) a que nos conceda 50 mil dólares para que cada um de nós possa regressar”, escreveram. “Lembramos que, se os Estados Unidos não querem mais imigração, devem por um fim à intervenção económica, política e militar em nosso território”, diz um trecho da carta dirigida a Trump.

A maioria dos imigrantes faz parte da caravana que deixou a cidade hondurenha de San Pedro Sula, no dia 12 de outubro, rumo aos Estados Unidos e chegou a reunir milhares de pessoas no caminho.

Em meados de novembro chegaram à cidade mexicana de Tijuana, na fronteira com os Estados Unidos, onde estão concentrados em abrigos. As autoridades mexicanas informaram que havia mais de cinco mil pessoas, a maioria das Honduras, mas o grupo foi-se diluindo com o passar dos dias.

Recomendadas

Novo mecanismo de ‘financiamento verde’ para África faz primeiro negócio de 100 milhões

O Fundo de Liquidez e Sustentabilidade (LSF), criado pela UNECA e pelo Afreximbank, fez o seu primeiro negócio de 100 milhões de dólares, potenciando as emissões de dívida pública ‘verde’ dos países africanos, incluindo Angola.

China diz que repórter da BBC preso “não se identificou como jornalista”

A China disse hoje que o jornalista da BBC, detido no domingo, durante um protesto em Xangai, não se identificou como jornalista, após a cadeia televisiva britânica ter revelado que um dos seus colaboradores foi preso e “espancado” pela polícia.

Wynn Macau aumenta capital em 574 milhões de euros para nova licença de jogo

A operadora de jogo Wynn Macau Ltd anunciou um aumento de capital de quase 4,8 mil milhões de patacas (573,7 milhões de euros) para cumprir as regras impostas às novas licenças de jogo na região chinesa.
Comentários