Imobiliário. Aumento das taxas de juro e queda dos preços colocam investidores europeus em alerta

Itália e Espanha foram os países mais atingidos pela crise financeira, sendo que a Alemanha e o Reino Unido podem ser os próximos a sentir os efeitos. Um caso mais extremo é o da Suécia, onde os preços das casas podem vir a cair até 20% este ano.

Cristina Bernardo

O aumento das taxas de juro aliado à descida dos preços das casas podem vir a impactar negativamente as principais economias e investidores europeus em 2023, segundo conta o jornal espanhol “El Economista” esta quarta-feira, 25 de janeiro.

O primeiro sinal veio dos mercados bolsistas, onde muitos investidores se encontram cotados e que pode vir a agravar-se com o vencimento dos empréstimos e títulos utilizados para financiarem as suas operações imobiliárias. De acordo com a “Bloomberg”, cerca de 390 mil milhões de euros em dívidas de grandes proprietários vencerão este ano.

No último ano, as ações das empresas imobiliárias cotadas em bolsa desceram em média 10%, uma situação que poderá voltar a repetir-se em 2023, segundo as previsões da Capital Economics.

As subidas das taxas de juro estão a dificultar o acesso ao crédito à habitação, que por sua vez está a afetar procura e os preços nos países que sofreram uma maior sobrevalorização dos imóveis.

Itália e Espanha foram os países mais atingidos pela crise financeira, sendo que a Alemanha e o Reino Unido podem ser os próximos a sentir os efeitos.

Um caso mais extremo é o da Suécia, onde os preços das casas podem vir a cair até 20% este ano, sendo que as empresas imobiliárias listadas no país perderam 30% do seu valor nos últimos 12 meses, ao mesmo tempo que o banco central sueco e a Autoridade de Supervisão Financeira têm alertado repetidamente sobre os riscos da dívida imobiliária comercial sueca.

Recomendadas

Lisboa: esta cidade não é para pobres

Estudo da Century 21 Portugal sobre a acessibilidade de habitação em Portugal revela que, na capital portuguesa, 155 mil famílias com rendimentos líquidos anuais que variam entre os 5 mil e os 19 mil euros só têm 5% de oferta de habitação adequada à sua classe no mercado.

Volume de investimento imobiliário deverá continuar nos três mil milhões em 2023

Consultora CBRE aponta Lisboa como a sexta cidade europeia mais atrativa para investir e destaca como principais riscos para este ano a obtenção e o custo do crédito, bem como o desfasamento de expetativas de preços entre o vendedor e comprador.

Comprar um apartamento de 90m2 em Lisboa custava mais do dobro da média nacional em 2022

Na capital portuguesa o preço era de 375.480 euros, enquanto na média nacional o valor é de e 152.159 euros. Em Lisboa, a taxa de esforço aumentou dos 48% em 2019, para o 67% no último ano.
Comentários