Imobiliário. Centro histórico do Porto atrai moradores

O Centro Histórico é o principal destino das transações de compra de casas no Porto, concentrando quase metade dos fogos vendidos no concelho entre o segundo trimestre de 2014 e o primeiro trimestre de 2015 (inclusive) apurou a Confidencial Imobiliário no âmbito do SIR – Sistema de Informação Residencial. O Centro Histórico do Porto é a segunda zona mais cara da cidade. A União de […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Centro Histórico é o principal destino das transações de compra de casas no Porto, concentrando quase metade dos fogos vendidos no concelho entre o segundo trimestre de 2014 e o primeiro trimestre de 2015 (inclusive) apurou a Confidencial Imobiliário no âmbito do SIR – Sistema de Informação Residencial. O Centro Histórico do Porto é a segunda zona mais cara da cidade.

A União de Freguesias do Centro Histórico do Porto concentrou 46% do total das vendas de habitação realizadas no concelho e reportadas ao SIR no período compreendido entre abril de 2014 e março de 2015, apresentando um preço médio de venda de 1481 euros/metro quadrado. Este valor foi apenas suplantado pelos 1839 euros/m² que este indicador atingiu na União das Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, que se destaca como o mercado residencial mais caro na cidade.

Nesta análise ao mercado residencial do Porto, a Confidencial Imobiliário destaca ainda o desempenho da União de Freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos e da freguesia de Ramalde, com quotas de 15% e 12% no que toca ao volume de venda de habitação na cidade entre abril de 2014 e março deste ano. Relativamente aos preços praticados nestas zonas, o valor médio de venda fixou-se entre os 1150 euros/m² e os 1200 euros/m², respetivamente.

No contexto metropolitano, o concelho do Porto concentrou 45% das vendas habitacionais realizadas no período em análise, seguido dos concelhos de Gaia e Matosinhos, com pesos de 16% e 12%, respetivamente.

Entre os segundo trimestre de 2014 e o primeiro trimestre de 2015, a pool de empresas que integra o SIR na Área Metropolitana do Porto reportou a transação de um total de 721 imóveis, a um preço médio de venda 1064 euros/m². No concelho do Porto, o preço médio de venda foi de 1321 euros/m², o mais alto da zona metropolitana. Matosinhos registou um preço de venda média de 1074 euros/m² e Gaia de 859 euros/m².

OJE

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.