PremiumImobiliário critica restrições do Governo aos vistos ‘gold’

Governo aprovou revisão do regime com o objetivo de impulsionar o investimento no interior. Figuras do sector condenam ‘timing’ da decisão e consideram que o Executivo cometeu “uma asneira terrível”.

O Governo avançou com o fim dos vistos gold nas regiões do litoral e áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, com o objetivo de promover o investimento no interior, mas a medida não agrada ao sector imobiliário. A alteração ao regime das autorizações de residência para investidores concretiza uma autorização legislativa prevista no Orçamento do Estado para 2020 e entra em vigor em julho de 2021, mas terá um período transitório entre o próximo ano e 2022.

Segundo o Executivo, o objetivo passa por “favorecer a promoção do investimento de estrangeiros nas regiões de baixa densidade, nomeadamente na requalificação urbana, no património cultural, nas atividades de alto valor ambiental ou social, no investimento produtivo e na criação de emprego”.

Porém, esta decisão não caiu bem junto do sector imobiliário que critica o timing, face ao momento vivido com a pandemia. “Se havia uma altura difícil, então esta é mesmo horrível para mexerem nos vistos gold. Acho que cometeram uma asneira terrível, porque vamos precisar de todas as ferramentas para tentar dar a volta e esta era uma delas”, refere ao Jornal Económico (JE) Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Conselho de Ministros aprova limitação dos vistos gold em Lisboa e no Porto

A medida foi aprovada em Conselho de Ministros, efetivando uma alteração já prevista no Orçamento do Estado. O objetivo é canalizar progressivamente mais destes investimentos para as áreas do interior do país e a mudança entrará em vigor em julho de 2021.

Promotores e investidores imobiliários dizem que “não é o momento certo” para mudar vistos gold

Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários acredita que o fim do programa de autorizações de residência para investimento “causa um dano reputacional a Portugal”.
Recomendadas

Câmara da Lourinhã vai apoiar pagamento de rendas para fins habitacionais

A câmara da Lourinhã vai apoiar as famílias no pagamento de rendas para habitação, tendo a assembleia municipal aprovado na noite de sexta-feira um regulamento nesse sentido.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.

Merlin Properties compra sede do Novobanco na Avenida da Liberdade por 112 milhões

A informação do comprador foi confirmada pela entidade bancária esta sexta-feira em comunicado, depois de já ter avançado com o valor do negócio nas últimas semanas.
Comentários