Impeachment. Dilma quer apressar o processo

Presidente brasileira manifestou intenção de apressar a votação da impugnação contra o seu mandato em Janeiro, interrompendo as férias habituais

“Não temos o direito de parar o país até 2 de fevereiro”, afirmou a Presidente, em conferência de imprensa, numa referência à data prevista para o retomar dos trabalhos no Congresso, após as férias de final do ano.

Rousseff quer que o processo “se dê o mais rápido possível”, pedindo aos deputados para interromperem as férias.

Na conferência de imprensa, a chefe de Estado brasileira minimizou o silêncio do seu vice-Presidente, Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB, que apoia o “impeachment” no Congresso), afirmando que não desconfia “nem um milímetro” da sua lealdade.

Temer é do mesmo partido que Eduardo Cunha, o presidente da Câmara dos Deputados que aceitou o pedido de impugnação de Rousseff na última quarta-feira.

OJE

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.