Impresa recruta nova diretora jurídica Maria João Faísca na PLMJ

A advogada, que também esteve na CCA Ontier, assume funções a partir de 1 de julho, integrando a equipa liderada pelo ‘chief legal officer’ do grupo de comunicação, Nuno Conde.

Maria João Faísca, diretora jurídica da Impresa | Foto cedida

A Impresa contratou Maria João Faísca para chefiar a direção jurídica do grupo que controla o semanário “Expresso” e a SIC, foi esta terça-feira anunciado. A advogada assume funções a partir de 1 de julho, integrando a equipa liderada pelo chief legal officer da Impresa, Nuno Conde.

Numa nota de imprensa, o grupo de media salienta a “vasta experiência” de Maria João Faísca nos “sectores da tecnologia, media e audiovisual, bem como em propriedade intelectual, direito do consumo, comércio eletrónico e privacidade”

Maria João Faísca é licenciada em Direito pela Universidade Nova de Lisboa, tendo uma pós-graduação em Direito da Medicina pela Universidade de Coimbra. A advogada estava na PLMJ desde 2018, sendo associada coordenadora na área de Tecnologia, Mobilidade e Comunicações da sociedade desde março de 2021.

Antes de entrar na PLMJ, integrou a direção jurídica do Grupo PT, tendo ainda sido consultora da DBA Regulation e advogada na sociedade de advogados CCA Ontier.

Recomendadas

Refinanciamento da Finerge de 2,3 mil milhões eleito “Deal of the Year 2022” de energias renováveis na Europa

O refinanciamento da portuguesa Finerge, no montante de 2,3 mil milhões de euros, que teve o Banco Santander como assessor financeiro, foi eleito “Deal of the Year 2022” de energias renováveis na Europa, no âmbito dos PFI Awards, da revista Project Finance International.

PremiumCMVM está “completamente descontextualizada”

O Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas espera que o novo presidente da CMVM traga uma regulação e supervisão comparável à do BdP. Sector sente falta de recursos humanos, mas mantém otimismo cauteloso em 2023.

Howden assessorou venda dos fundos de reestruturação da ECS à DK Partners

A Howden, através da sua equipa de M&A com presença em Lisboa, assessorou o designado Project Crow, que consistiu na venda dos fundos de reestruturação geridos pela ECS e detidos pelos bancos à Davidson Kempner Partners (DK).
Comentários