SNQTB. Impugnação de Afonso Diz não suspende posse de Paulo Marcos

Afonso Diz, o presidente em exercício do Sindicato dos Quadros Bancários, SNQTB, não conseguiu anular as eleições do passado dia 18, depois de apenas obter o provimento parcial ao pedido de impugnação.

Joaquim Esteves Saloio, o presidente da mesa da assembleia eleitoral disse ao OJE que não haverá repetição do ato eleitoral, como tinha sido solicitado pelo candidato da lista C, Afonso Diz, através da impugnação entregue.

O resultado do pedido de impugnação resultou apenas num provimento parcial na parte relativa ao uso da base de dados por terceiros durante o recente ato eleitoral, que levou à vitória do candidato da Lista B, Paulo Marcos.

Afonso Diz poderá avançar para outras instâncias, nomeadamente para os tribunais civis. O prazo para o fazer será de 10 dias a contar da resposta à impugnação que aconteceu no dia 23 de dezembro pelas 19H15. No entanto, o mero provimento parcial não suspende a tomada de posse que não acontecerá antes do dia 30 deste mês, segundo a mesma fonte. Nesta segunda-feira, dia 28, deverá ser afixada a impugnação e a resposta à impugnação em todas as delegações do sindicato e depois será preparado o ato de posse de Paulo Marcos como novo presidente da direção do Sindicato dos Quadros Bancários.

Recorde-se que no ato eleitoral de dia 18, com a contagem dos votos a terminar já dia 19 de dezembro, e com uma afluência recorde de votantes, Paulo Marcos venceu destacado, seguido por Afonso Diz e por Ana Cristina Gouveia.

Por Vítor Norinha/OJE

SNQTB. Tomada de posse é amanhã dia 30 (29 de dezembro de 2015)

Paulo Marcos com vitória folgada no Sindicato dos Quadros Técnicos Bancários (19 de dezembro de 2015)

Guerra no sindicato dos bancários. Eleições ao rubro (4 de dezembro de 2015)

Guerra no Sindicato. SNQTB vai a votos (20 de novembro de 2015)

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.