Incêndio causou apenas danos materiais no edifício, diz CHULC

Uma fonte oficial do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central disse que os doentes e profissionais no Hospital de Santa Marta estão “todos bem” e que a explosão num prédio na rua de Santa Marta apenas causou danos materiais. “Os doentes internados estão todos bem, assim como os profissionais do hospital”, disse. Segundo a mesmo fonte, a explosão que ocorreu num edifício em frente ao Hospital de Santa Marta não afetou nenhum serviço de internamento, tendo apenas causado danos materiais na fachada, nomeadamente vidros partidos, caixilharia e portas danificadas.

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC) disse que os doentes e profissionais no Hospital de Santa Marta estão “todos bem” e que a explosão num prédio na rua de Santa Marta apenas causou danos materiais.

“Os doentes internados estão todos bem, assim como os profissionais do hospital”, disse à agência Lusa fonte oficial do CHULC, que integra os hospitais de São José, Santa Marta, Capuchos, Curry Cabral, D. Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa.

Segundo a mesmo fonte, a explosão que ocorreu num edifício em frente ao Hospital de Santa Marta não afetou nenhum serviço de internamento, tendo apenas causado danos materiais na fachada, nomeadamente vidros partidos, caixilharia e portas danificadas.

O alerta para a explosão, seguida de incêndio, de um prédio de habitação na rua de Santa Marta, foi dado às 07:48, segundo os bombeiros.

A parte da frente do edifício ruiu e várias projeções atingiram o Hospital de Santa Marta, disse o vereador o vereador da Proteção Civil da Câmara de Lisboa, Carlos Castro.

A explosão atingiu também viaturas estacionadas naquela rua, que se encontra cortada ao trânsito.

Quatro das cinco pessoas que ficaram feridas durante a explosão seguida de incêndio tiveram alta hospitalar e apenas uma permanece internada, segundo o vereador da Proteção Civil.

Neste momento, falta localizar um dos nove moradores daquele prédio.

Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários