“Incêndios” e “afeto” lideram a lista de preferências para a Palavra do Ano 2017

O vocábulo “incêndios”, que lidera as intenções dos cibernautas, foi escolhido por causa dos “sucessivos incêndios que se fizeram sentir durante este ano em todo o país”, explica a Porto Editora.

Os vocábulos “incêndios”, “afeto” e “floresta” lideram a lista de preferência dos cibernautas para a Palavra do Ano/2017, processo que se iniciou no passado dia 01, divulgou hoje a promotora do concurso.

A votação em www.palavradoano.pt prossegue até ao final do mês, e a palavra vencedora será conhecida no dia 04 de janeiro, às 10:30, numa cerimónia na Biblioteca Municipal Ary dos Santos, em Sacavém, no concelho de Loures, nos arredores de Lisboa.

“Duas semanas após o início da votação, já votaram cerca de 10.000 internautas”, disse à Lusa fonte da Porto Editora (PE), que organiza a iniciativa desde 2009.

O vocábulo “incêndios”, que lidera as intenções dos cibernautas, foi escolhido por causa dos “sucessivos incêndios que se fizeram sentir durante este ano em todo o país; 2017 foi um dos anos mais trágicos de sempre, pela enorme quantidade de vítimas e pela dimensão da área atingida”, justificou a PE

A “incêndios” sucedem-se, nas intenções dos cibernautas portugueses, “afeto”, “floresta”, “vencedor”, seguindo-se “crescimento”, “desertificação”, “gentrificação”, “cativação”, “peregrino” e, em último, “independentista”.

A eleição da Palavra do Ano vai na nona edição e “já faz parte do calendário dos portugueses, tal a curiosidade que desperta e a participação crescente nas votações, apesar de ser exclusivamente ‘online’”, disse à Lusa a mesma fonte.

As palavras eleitas nas edições anteriores foram “esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014), “refugiado” (2015) e “gericonça” (2016).

No ano passado, participaram cerca de 28.000 cibernautas, ultrapassando os cerca de 20.000 votantes de 2015.

Recomendadas

Costa apela para celebração da “força da bandeira nacional” em mensagem do Dia da Restauração

 O primeiro-ministro António Costa homenageou hoje a “memória dos que lutaram e contribuíram” para a restauração da independência de Portugal, apelando para a celebração da “soberania” e da “força da bandeira nacional”, numa mensagem evocativa do 1.º de dezembro.

Oficiais da GNR criticam tutela por manter sistema remuneratório desatualizado

A Associação Nacional de Oficiais da Guarda (ANOG) criticou hoje a tutela por manter “um regime remuneratório completamente desatualizado” na GNR, que está a interferir “diretamente na motivação dos militares” e na contratação de novos efetivos.

Oficiais da GNR consideram que alegados casos de racismo devem ser “meticulosamente investigados”

A Associação Nacional de Oficiais da Guarda (ANOG) considerou hoje que os alegados casos de comportamentos racistas de militares da GNR devem ser “meticulosamente investigados” pelas entidades competentes e “internamente pela Guarda” para serem aplicadas “as medidas adequadas”.
Comentários