Incerteza económica pressiona resultados da banca norte-americana

A banca norte-americana reforçou as provisões para fazer face à incerteza económica no final do ano passado, pressionando os lucros do sector financeiro obtidos no quarto trimestre.

3. Estados Unidos da América – 76.64

Os bancos norte-americanos deram o pontapé de saída na época de resultados, com os lucros a serem penalizados pelo reforço das provisões para fazer face à incerteza em torno da evolução da economia. Isto num período marcado pela escalada da inflação e consequente subida das taxas de juro, não só nos EUA como na Europa.

Foi o caso do Wells Fargo, cujos lucros caíram 50% no quarto trimestre em comparação com o período homólogo. As contas do quarto maior banco norte-americano foram pressionadas pelo reforço de 957 milhões de dólares em provisões para crédito, face a 452 dólares no mesmo período do ano anterior. Deste total, 397 milhões dizem também respeito à deterioração das previsões económicas.

Além disso, os resultados do banco foram pressionados pelos mais de três mil milhões de dólares em multas e reembolsos a clientes para resolver as denúncias por alegadas más práticas e abusos ao consumidor, conforme foi avançado pelas autoridades em dezembro do ano passado.

Já o Citigroup registou uma descida dos lucros no quarto trimestre de 2022, passando de 3,2 mil milhões de dólares, ou 1,46 dólares por ação, no período homólogo, para 2,5 mil milhões de dólares, ou 1,16 dólares por ação, nos três meses terminados em dezembro.

Uma potencial recessão da economia levou a instituição financeira a reforçar as provisões em 640 milhões de dólares no quarto trimestre, o que compara com uma reversão de 1,37 mil milhões de dólares de provisões relacionadas com a crise pandémica, em 2021.

Por outro lado, a atividade de fusões e aquisições abrandou de forma muito significativa em 2022, perante a escalada das taxas de juro, a guerra na Ucrânia e grande incerteza em torno da economia, penalizando também os resultados.

No Bank of America, os lucros subiram ligeiramente de sete mil milhões, ou 0,81 dólares por ação, para 7,1 mil milhões de dólares no quarto trimestre de 2022, ou 0,85 dólares por ação. Neste caso, os resultados ficaram acima das expectativas dos investidores, graças a um aumento da margem financeira à boleia da subida das taxas de juro pela Reserva Federal dos EUA, num período em que constituiu 1,1 mil milhões em provisões para possíveis incumprimento no crédito.

Também o JP Morgan Chase superou as estimativas do mercado, ao registar um crescimento de 6% do lucro líquido. O maior banco dos EUA foi impulsionado por um ganho de quase mil milhões de dólares com a venda de algumas de suas ações na Visa, como avançou a Reuters.

Ainda assim, a instituição registou 2,3 mil milhões de dólares em provisões para crédito, o que representa um aumento de 49% face ao terceiro trimestre e excedeu as estimativas da StreetAccount de 1,96 mil milhões de dólares, segundo a “CNBC”.

Já as receitas ficaram aquém das projeções no trading de obrigações, câmbio e commodities, mas também na negociação de ações e na banca de investimento, num contexto de incerteza global com impacto nos mercados financeiros.

Recomendadas

BCE desce requisito de capital da CGD e mantém no BCP e Novo Banco

O banco central liderado por Christine Lagarde reduziu o requisito de capital (pilar 2) de 2% para 1,90% no banco estatal, em 2023. No BCP e no Novobanco, manteve-se nos 2,5% e nos 3%, respetivamente.

Lucros do Société Générale recuam com aumento das provisões para malparado

Os lucros do terceiro maior banco francês recuaram mais de 60% em 2022, em comparação com o ano anterior, num período em que reforçou as provisões para responder ao aumento do crédito malparado.

Juiz recusa novas condições de fiança para o fundador da FTX

O juiz Lewis Kaplan recusou a nova proposta dos advogados para as condições de fiança de Sam Bankman-Fried.
Comentários