Índice de confiança do ISEG desce ligeiramente em novembro

O índice de confiança do ISEG apurado para o mês de novembro de 2021 fixou-se em 37,9, uma ligeira descida face ao mês anterior.

O índice de confiança do ISEG apurado para o mês de novembro de 2021, relativo à evolução da atividade económica portuguesa no curto prazo, desceu ligeiramente face ao mês anterior, fixando-se em 37,9.

De acordo com a informação divulgada esta segunda-feira pela instituição universitária, o valor em novembro desceu face aos 38,1. Já em termos homólogos a variação percentual do índice foi de 38,3% em novembro devido ao efeito base decorrente da queda abrupta do índice em 2020.

“O nível atual do índice ultrapassa os níveis pré-pandemia. Manteve-se o consenso dos membros do painel relativamente à evolução da economia”, refere a nota do ISEG.

O índice de confiança do ISEG sobre a evolução a curto prazo da economia portuguesa pode variar entre 0 – que corresponde à confiança mínima – e 100 – que corresponde à confiança máxima. É atribuído por um painel constituído por dezoito professores da instituição universitária, com base em informação quantitativa e qualitativa previamente recolhida.

Recomendadas

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.
Comentários