Índice de produção industrial caiu 2,3% na zona euro e 1,6% na UE em julho

Em comparação com julho do ano passado, a produção industrial teve recuos de 2,4% na zona euro e de 0,8% na UE, de acordo com dados do Eurostat.

O índice de produção industrial ajustado caiu 2,3% na zona euro e 1,6% na UE em julho, em comparação com o mês anterior (em junho, foram registados crescimentos de 1,1% e 1,0%, respetivamente). No mês em análise, em comparação com o julho do ano passado, a produção industrial recuou 2,4% na zona euro e 0,8% na UE, de acordo com dados do Eurostat.

Na zona euro, em julho do presente ano, comparativamente com o mês anterior, a produção de bens de capital registou uma variação de -4,2%. Nos bens tangíveis caiu 1,6% e nos bens intermédios 0,8%, enquanto a produção de energia cresceu 0,4% e nos bens intangíveis 1,2%.

Na UE, reduziu a produção de bens de capital em 3,2%, assim como a produção de bens tangíveis, 1,6%, e a de bens intermédios, 0,8%. Em sentido contrário ficaram a produção de energia, que cresceu 0,7%, e dos bens intangíveis, que aumentou 1,0%.

Em Portugal, registou-se uma queda de 0,4% no índice de produção industrial em julho, em comparação com junho de 2022.

Entre os Estados-membros para os quais os dados estão disponíveis, os maiores decréscimos foram registados na Irlanda (-18.9%), Estónia (-7.4%) e Áustria (-3.2%). As maiores subidas tiveram lugar na Lituânia (+6.5%), Suécia (+5.8%) e Malta (+4.2%).

Na zona euro, em julho de 2022, comparativamente com o mesmo mês de 2021, a produção de bens bens de capital teve uma queda de 5,4%, enquanto nos bens intermédios reduziu 1,8% e 1,1% nos bens intangíveis. Na produção de energia, existiu um crescimento de 1,1% e enquanto nos bens tangíveis foi de 1,4%.

Na UE, a produção de bens de capital caiu 3,5% e a de bens intermédios 1,4%, enquanto nos bens tangíveis aumentou 0,9%, nos intangíveis 2,1% e na energia 3,1%.

Em Portugal, o índice de produção industrial registou um recuo de 0,1%.

Entre os Estados-membros para os quais existem dados, as maiores quedas nestes 12 meses foram registados na Irlanda (-23.7%), Estónia e Eslováquia (ambas -6.4%) e Bélgica (-5.1%). As maiores subidas ocorreram na Bulgária (+17.6%), Dinamarca (+12.0%) e Polónia (+10.3%),

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários