Índices em Wall Street fecham pouco alterados antes da pausa para o Natal

Investidores não quiseram tomar riscos antes da quadra festiva. Bolsas americanas vão estar fechadas na segunda-feira.

REUTERS/Andrew Kelly

Os principais índices accionistas nos EUA fecharam com variações muito ligeiras, com os investidores relutantes em fazer grandes apostas antes da pausa para o Natal, e com o volume reduzido devido à quadra festiva.

O industrial Dow Jones subiu uns meros 0,07% para fechar nos 19.933,81 pontos. Este índice tocou num novo máximo histórico esta semana, a apenas 14 pontos de distancia tocar os 20.000 pontos pela primeira vez.

“Vai ser duro ultrapassar esse marco dos 20.000 pontos. Vamos conseguir, mas vai ser necessário um catalisador para mover os investidores”, disse Jeff Kravetz, diretor regional de investimento no U.S. Bank, em Phoenix.

O S&P 500 avançou 0,12%, enquanto o tecnológico Nasdaq avançou 0,29%.

Com os mercados acionistas encerrados na segunda-feira, os investidores fizeram já hoje uma pausa para analisar se o ‘rally’ que seguiu a eleição do republicano Donald Trump para a Casa Branca a 8 de novembro poderá continuar. O magnata agradou os mercados com promessas de estímulos económicos, nomeadamente cortes nos impostos e investimento nas infraestruturas.

Segundo os analistas, o prolongar da sequência positiva vai depender do sucesso de Trump em cumprir as promessas, podendo o novo presidente também ter de enfrentar um Congresso relutante em aumentar o défice público.

 

Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários