Indústria automóvel dependente da China

Economia asiática determina crescimento deste mercado

Desde que começou a crise económica em 2008, o aumento das vendas de automóveis nos mercados emergentes susteve a evolução da indústria automóvel. Contudo, o padrão está a mudar. A procura de automóveis nas economias desenvolvidas acelerou nos últimos tempos, enquanto nas emergentes está a travar e começa a mostrar sinais de debilidade. A indústria automóvel está especialmente dependente da evolução da China.

Este é um dos dados apurados no relatório divulgado pela Crédito y Caución sobre o setor automóvel no mundo. Nos EUA, o mercado beneficiou de sete anos consecutivos de crescimento. A produção aumentou em 2015 e espera-se que cresça ainda mais em 2016. Na Europa Ocidental, o setor adquiriu um impulso no primeiro semestre de 2015, com um aumento nas vendas de automóveis de passageiros novos de mais de 8%. Esta melhoria, depois de vários anos de estagnação e contração, ajudou muitos fabricantes de automóveis, fornecedores e retalhistas em França, Itália e Espanha, a continuar a recuperação, que se iniciou em 2014. No entanto, há que ter em conta que a recuperação económica na eurozona continua modesta e frágil, e que muitas empresas de automóveis, sobretudo no sul da Europa, ainda estão a tentar manter o equilíbrio.

Em contraste com a recuperação na Europa e EUA, o mercado automóvel é debil nas grandes economias emergentes. No primeiro semestre de 2015 as vendas de veículos na Rússia e no Brasil contraíram-se, em 35% e em 20% respetivamente, e não se preveem grandes mudanças nesta tendência. Na China, a desaceleração económica e a volatilidade do mercado tiveram um efeito negativo nas vendas de automóveis. Contudo, trata-se apenas de uma desaceleração: espera-se que as vendas cresçam em 2015 e 2016, se bem que as taxas de crescimento de dois dígitos parecem ter terminado. Tendo em conta que a China se tornou no maior mercado do mundo de automóveis, qualquer crise no terreno económico nos próximos anos poderia ter graves consequências para o mercado mundial de automóveis. Portanto, juntamente com os preços do petróleo, a direção económica chinesa tornou-se no grande ponto de interrogação para a indústria automóvel.

OJE

Recomendadas

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.