Indústria do cimento debate descarbonização em conferência esta segunda-feira no CCB

“Iremos dar espaço a especialistas numa perspetiva transversal – da arquitetura, da engenharia, da banca de investimento e, como é óbvio, da própria indústria nacional”, é assim que Gonçalo Salazar Leite resume a conferência que a ATIC irá promover esta segunda-feira, dia 3 de junho, entre as 8h30m e as 11 horas, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

O lema desta iniciativa é ‘Desafios à Sustentabilidade dos Setores Económicos Portugueses: Descarbonização da Indústria, Smart Cities e Construção’. A sessão de abertura tema presença confirmada de Pedro Siza Vieira, ministro Adjunto e da Economia. O primeiro painel de debate, sobre ‘Descarbonização e Economia – A Competitividade da Indústria’, contará com a participação de Nuno Lacasta, presidente da APA – Agência Portuguesa do Ambiente; Ricardo Bayão Horta, professor emérito da Universidade de Lisboa, professor catedrático jubilado do IST – Instituto Superior Técnico e ex-presidente da Cimpor; João de Mello, presidente do conselho de administração da Bondalti; e Paulo Martins, membro da comissão executiva do Haitong Bank, sendo moderado por Filipe Alves, diretor do Jornal Económico.

Às dez horas, Carmen Andrade, professora e investigadora do Instituto de Ciencias de la Construcción Eduardo Torroja, irá apresentar um estudo sobre ‘Absorção de CO2 por edifícios em betão’. O segundo painel, a partir das 10h45m, sobre o tema ‘Resiliência e Sustentabilidade das Cidades – Smart Cities’, irá contar com a participação de Carlos Mineiro Aires, Bastonário da Ordem dos Engenheiros; Fernando Santo, administrador executivo do Montepio Gestão de Ativos Imobiliários; Manuel Reis Campos, presidente da CPCI – Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário; e João Pardal Monteiro, antigo presidente da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, com a moderação a cargo de Pedro Pinto, subdiretor de informação da TVI.

A sessão de encerramento desta conferência será assumida por Luís Fernandes, presidente do conselho executivo da ATIC e CEO da Cimpor Portugal, e por Nuno Lacasta, presidente da APA.

Recomendadas

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Vieira da Silva desaconselha mudança da lei das pensões. “É mais sensato suspender”

Para o ex-ministro Vieira da Silva, seria mais sensato suspender a lei da atualização das pensões, não sendo este o momento para proceder a alterações à fórmula legal.
Comentários