Indústrias de Setúbal apelam a acordo urgente para parar greve no porto

Segundo as últimas estimativas, as principais indústrias da península de Setúbal devem valer cerca de 3,5% do PIB – Produto Interno Bruto em termos de faturação e devem rondar cerca de 10% do PIB no que respeita a exportações nacionais.

A AISET – Associação das Indústrias da Península de Setúbal apelas às partes envolvidas – sindicatos de estivadores e operadores portuários – “para concluírem urgentemente um acordo que permita encerrar este conflito e ser possível retomar a normalidade económica da região”.

Num comunicado divulgado hoje, dia 11 de dezembro, a que o Jornal Económico teve acesso, a AISET denuncia que “o prolongamento da greve dos estivadores no porto de Setúbal (…) está a agravar criticamente a situação das principais indústrias da península de Setúbal, de forte pendor exportador.

Segundo as últimas estimativas a que o Jornal Económico teve acesso, relativas a 2015, as principais indústrias da península de Setúbal devem valer cerca de 3,5% do PIB – Produto Interno Bruto em termos de faturação e devem rondar cerca de 10% do PIB no que respeita a exportações nacionais.

A AISET conta como seus associados com as empresas Autoeuropa (Volkswagen) Fisipe, Lusosider, The Navigator Company (Portucel), Sapec, Aicep Global Parques, Visteon, Secil, Vanpro (Faurecia), Laval, Alstom, AVE – Gestão Ambiental e Valorização Energética e Lauak, entre outras.

“Estas empresas têm tido sobrecustos muito relevantes para movimentar os seus produtos por outros portos, estando algumas a entrar em situações de incumprimento contratual com clientes, e a ficar fortemente condicionadas na sua capacidade de produção e armazenamento, enfrentando já situações de sério risco de abastecimento de combustíveis, matéria-prima e escoamento de produto acabado”, destaca o referido comunicado da AISET.

O mesmo documento acrescenta que “o forte condicionamento sentido nestas empresas pode originar a breve trecho, em algumas delas, paragens pontuais, caso não seja encontrada rapidamente uma solução negociada para o conflito que opõe estivadores às empresas de trabalho portuário neste porto relativamente à quantidade de trabalhadores efetivos e eventuais, devendo esta discussão restringir-se apenas e só ao porto de Setúbal e não a outros portos nacionais”.

Recorde-se que na passada sexta-feira, a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, emitiu um comunicado anunciando o rompimento das negociações entre as partes, alegando que os representantes do SEAL – Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística exigiram no processo a resolução de questões laborais referentes, não só ao porto de Setúbal, mas também ao porto de Leixões e a outros portos nacionais.

Já no fim de semana, a governante disse acreditar no retomar rápidos negociações, mas dois dias passado nada de relevante foi anunciado.

“Este estrangulamento do porto de Setúbal afeta toda a economia da região, do país, os operadores portuários, os prestadores de serviços às empresas e os armadores marítimos, que cessarão a sua atividade em caso de paragem forçada, para além de provocar danos ao porto de Setúbal, um exemplo de crescimento na última década”, acusa a AISET.

Em declarações ao Jornal Económico, na semana passada, Diogo Marecos, administrador da Operestiva, um dos operadores portuários de Setúbal, revelou que três armadores internacionais – a McAndrews, Tarros e Arkas – já tinham trocado o porto de Setúbal por concorrentes espanhóis, em particular pelos portos de Vigo e de Santander, prevendo que a quebra de mercadorias movimentadas no porto sadino provocada por esta greve ascenda a 70% face ao movimento normal.

“Em causa estão o incumprimento de contratos de exportação, o abastecimento à indústria, o direito ao trabalho e mesmo o rendimentos das famílias”, alerta o comunicado da AISET.

“O desnecessário e incompreensível prolongamento do conflito laboral retira valor a toda a economia portuguesa, prejudicando em primeiro lugar os trabalhadores das empresas e suas famílias, que verão de imediato o seu rendimento mensal diminuído em caso de paragem das principais empresas, não ficando o próprio porto de Setúbal e os seus trabalhadores isentos de consequências negativas devido à perda de rotas e contratos”, assegura a AISET.

 

 

Relacionadas

Pedro Calado assegura que exploração dos portos está a ser revista e mostra abertura para entrada de outros operadores

O governante abordou ainda a situação dos estivadores dizendo que os estivadores “não é um problema” da Região, mas algo que iniciou no Porto de Setúbal.

Ana Paula Vitorino garante que a próxima reunião do Porto de Setúbal “é para fechar um acordo”

Na entrevista, a ministra do Mar faz pela primeira vez as contas aos prejuízos da greve no Porto de Setúbal e revela que se a greve continuasse até ao final do ano, haveria uma redução de 70% no volume de negócios. Até ao momento, segundo a ministra do Mar, “o prejuízo ronda os 50% de um total anual de 300 milhões de euros, sem contar com o valor induzido”.

Autoeuropa não vai produzir entre 22 de dezembro e 4 de janeiro

A Autoeuropa vai efetuar várias paragens de produção, a primeira das quais já no próximo domingo, devido à falta de motores a gasolina, e entre o Natal e início do ano, revelou esta quinta-feira à agência Lusa fonte oficial da empresa.

Ministra do Mar: “É absolutamente essencial resolver a questão do Porto de Setúbal”

Ana Paula Vitorino garante que o Governo está a fazer o seu “melhor para mediar”. As negociações com os estivadores são retomadas já na próxima semana.
Recomendadas

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.
Comentários